More wallpapers! Mais wallpapers!


English: fall leaves wallpaper, fall season wa...

English: fall leaves wallpaper, fall season wallpapers, fall wallpaper hd, fall colors wallpaper, fall harvest wallpaper (Photo credit: Wikipedia)

Como não dá mais para postar figuras aqui (exceto as que já salvei como rascunho), coloquei diversos papeis de parede no meu outro blog, confiram…

wallpapers 1

wallpapers 2

wallpapers 3

wallpapers 4

wallpapers 5

wallpapers for children 1

wallpapers for children 2

wallpapers for children 3

wallpapers for children 4

Given the fact that I can no longer post images here (except for those that have already been saved as drafts), I have posted several wallpapers in my other blog, check them out in the links above!

Boas-novas europeias expressas em músicas:


– Juventus = campeonissimo!!!

 

– François Hollande = champion en France!!!!

Et pour célébrer le résultat des élections françaises, il n’y a pas de musique meilleure que…les chansons de Carla Bruni, bien sûrrrrr!!!!

http://www.youtube.com/watch?v=Me7wlASiKUg

Il semble que quelqu’un ait convoqué l’espoir
Les rues sont des jardins, je danse sur les trottoirs
Il semble que mes bras soient devenus des ailes
Qu’à chaque instant qui vole je puisse toucher le ciel
Qu’à chaque instant qui passe je puisse manger le ciel
Le clochers sont penchés les arbres déraisonnent
Ils croulent sous les fleurs au plus roux de l’automne
La niege ne fond plus la pluie chante doucement
Et même les réverbères ont un air impatient
Et même les cailloux se donnent l’air important
Car je suis l’amoureuse, oui je suis l’amoureuse
Et je tiens dans me mains la seule de toutes les choses
Je suis l’amoureuse, je suis ton amoureuse
Et je chante pour toi la seule de toutes les choses
Qui vaille d’être là, qui vaille d’être là
Le temps s’est arrêté, les heures sont volages
Les minutes frissonnent et l’ennui fait naufrage
tout paraît inconnu tout croque sous la dent
Et le bruit du chagrin s’éloigne lentement
Et le bruit du passé se tait tout simplement
Oh, les murs chagent de pierres,
Le ciel change de nuages,
La vie change de manières et dansent les mirages
On a vu m’a-t-on dit le destin se montrer
Il avait mine de rien l’air de tout emporter
Il avait ton allure, ta façon de parler

Car je suis l’amoureuse, oui je suis l’amoureuse

Et je tiens dans me mains la seule de toutes les choses
Je suis l’amoureuse, je suis ton amoureuse
Et je chante pour toi la seule de toutes les choses
Qui vaille d’être là, qui vaille d’être là
Dans ma jeunesse, il y a des rues dangereuses
Dans ma jeunesse, il y a des villes moroses
Des fugues au creux d’ la nuit silencieuseDans ma jeunesse, quand tombe le soir
C’est la course a tous les espoirs
Je danse toute seule devant mon miroirMais ma jeunesse me regarde serieuse, elle me dit
“Qu’as-tu fait de nos heures ?
Qu’as-tu fait de nos heures precieuses ?
Maintenant, souffle le vent d’hiver”Dans ma jeunesse, il y a de beaux departs
Mon coeur qui tremble au moindre regard
L’incertitude au bout du couloir

Dans ma jeunesse, il y a des interstices
Des vols planes en etat d’ivresse
Des atterrissages de detresse

Mais ma jeunesse me regarde severe, elle me dit
“Qu’as-tu fait de nos nuits ?
Qu’as tu fait de nos aventures ?
Maintenant, le temps reprend son pli”

Dans ma jeunesse, il y a une priere
Une prouesse a dire ou a faire
Une promesse, un genre de mystere
Dans ma jeunesse, il y a une fleur
Que j’ai cueillie en pleine douceur
Que j’ai saisie en pleine frayeur

Mais ma jeunesse me regarde, cruelle,
Elle me dit “C’est l’heure du depart”
Je retourne a d’autres etoiles
Et je te laisse la fin de l’histoire.

Tu es ma came,
Mon toxique, ma volupté suprême,
Mon rendez-vous chéri et mon abîme
Tu fleuris au plus doux de mon âme
Tu es ma came
Tu es mon genre de délice, de programme
Je t’aspire, je t’expire et je me pâme
Je t’attends comme on attend la manne
Tu es ma came
J’aime tes yeux, tes cheveux, ton arôme
Viens donc là que j’te goûte que j’te hume
Tu es mon bel amour, mon anagramme
Tu es ma came
Plus mortelle que l’héroïne afghane
Plus dangereux que la blanche colombienne
Tu es ma solution, mon doux problème
Tu es ma came
A toi tous mes soupirs, mes poèmes
Pour toi toutes mes prières sous la lune
A toi ma disgrâce et ma fortune
Tu es ma came
Quand tu pars c’est l’enfer et ses flammes
Toute ma vie, toute ma peau te réclament
on dirait que tu coules dans mes veines
Tu es ma came
Je me sens renaître sous ton charme
Je te veux jusqu’à en vendre l’âme
À tes pieds je dépose mes armes
Tu es ma came
Tu es ma came

Propaganda – Advertisement


Não costumo gostar de propagandas – SOBRETUDO as que interrompem minhas visitas ao Youtube…elas irritam 😉 Mas hoje eu estava distraída abrindo outra janela enquanto o vídeo que queria assistir começava a ser carregado, então o anúncio começou a tocar automaticamente e eu mal percebi…por quê? Porque a tal propaganda tinha como música de fundo nada mais nada menos do que a Enjoy the Silence, do Depeche Mode. Fiquei curiosa e continuei assistindo…era uma propaganda da Dior. De muito bom gosto – além da música excelente, ainda por cima tinha como cenário o não menos maravilhoso Palácio de Versalhes (e seu respectivo jardim)…para quem nunca viu como ele é, ou viu partes, é legal assistir. Para quem já foi visitá-lo, é legal assistir também para relembrar o deslumbramento 😛

Claro que tem umas modelos semi-anoréxicas (…) ali, correndo (!) e de sutiã (!) em plena galeria dos espelhos, mas enfim…ah, e aquela lágrima brega que escorre do olho de uma delas também é hiper forçada *rs* Fora isso, a fotografia é impecável, vale a pena assistir, muito bela a propaganda:

‘Secret Garden – Versailles’
A film by Inez van Lamsweerde and Vinoodh Matadin, starring Daria Strokus, Melissa Stasiuk and Xiao Wen Ju in La Galeries Des Glaces – Château de Versailles.
Music by Depeche Mode: ‘Enjoy the Silence’

Words like violence
Break the silence
Come crashing in
Into my little world
Painful to me
Pierce right through me
Can’t you understand
Oh my little girl

All I ever wanted

All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
Vows are spoken
To be broken
Feelings are intense
Words are trivial
Pleasures remain
So does the pain
Words are meaningless
And forgettable
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
Enjoy the silence…

Hoje é primeiro de abril


…ou seja, dia da mentira – e dia dos bobos (em inglês o nome é “April Fool’s Day”). Portanto, nada mais condizente com o dia do que as seguintes frases:

“Acredito em duendes e fadas, mas não acredito no amor feminino.”

Rapaz bobo, não? Ele não acreditaria no amor feminino nem se o amor cuspisse e escarrasse na cara dele – na verdade, o amor feminino queria mesmo era dar um chute no saco dele, mas ao invés disso, preferiu pedir um abraço (dado muito de malgrado, diga-se, e apenas após o amor – novamente, mas pela última vez! – correr atrás dele). Afinal, amor feminino é amor feminino. Se não fosse, teria preferido castrá-lo num momento de vulnerabilidade (homens são tão vulneráveis, é inacreditável!).

Mas é compreensível, perfeitamente compreensível que um homem não acredite no amor. Pois o ser humano tem a tendência de projetar no outro os defeitos que vê em si próprio – e, quando se é incapaz de amar, claro que o pensamento óbvio é: ninguém é capaz de amar.

“Meu coração já foi partido inúmeras vezes por esporros femininos. Dói. Nós, homens, não temos onde enfiar a cara de tanta vergonha, ficamos sem palavras, diante da fúria feminina.”

NOSSA, quanta balela!!! Se doeu, não doeu o suficiente para deixar de ser orelhudo e filho da puta. Claramente o coração desse cara jamais foi partido – pelo menos não do modo certo – e ele não tem absolutamente NENHUMA vergonha na cara. Muito menos fica sem palavras diante da fúria feminina – pelo contrário, utiliza palavras crueis, e as usa de modo mais cruel ainda.

(aos que não compreenderam nada do meu ataque ao bucéfalo acima, saibam que o conheço, sei do que estou falando. Vejam um dos comentários online mais recentes do ser em questão: “Eu queria ter dinheiro. Assim sempre eu poderia chupar e comer uma gostosa. Vida cruel.” e “acho mais vantajoso gastar meu tempo com cópulas e com libertinagens – no outro mundo, se houver, poderá não existir tanto peito e bunda à disposição, logo não posso perder tempo”. Dentre inúmeros outros, um pior do que o outro. Esse é o conceito de amor que ele tem. Desse jeito ele vai longe mesmo *rs* Depois fica magoado quando alguém aponta certeiramente o fato de que ele é interesseiro! Pode até não ser interesseiro em termos patrimoniais – se bem que ainda há dúvidas, considerando-se a sede obsessiva que tem por dinheiro -, mas certamente o é em termos materiais – quer algo mais material que sexo por si só?? Mais interesseiro e utilitarista do que ver corpos femininos como utensílios para “chupar e comer”?!? Na boa…antes gente interesseira em termos de patrimônio, que não é nada, do que em corpos, que são verdadeiramente a única coisa que nos pertence, nossa morada, e que não foi encontrada ali na esquina no lixo…).

Sou eu que acredito cada vez menos no amor masculino…já amei verdadeiramente duas pessoas que não quiseram nem saber de mim…elas estavam interessadas em outras coisas…e em outras pessoas…custava ter me dado uma chance? Ter dado tempo de me conhecer de verdade? Ou então me chutasse logo de uma vez! Mas enrolar é mais fácil, né…

Ah, e por falar em mentira…odeio mentiras, todos que me conhecem sabem disso. Mas cheguei a uma conclusão: dependendo do caso, antes mentiras do que verdades. Mentiras denotam que a pessoa sabe, admite e se envergonha de que fez/está fazendo algo errado, por isso tenta encobrir o fato; e denota também a consciência de que a pessoa a quem mente poderia ficar magoada caso soubesse da verdade, portanto a mentira seria uma forma tosca e inadequada, porém relativamente eficaz, de manter a relação e proteger os sentimentos da outra pessoa; também pelo menos tenta preservar a aura de respeito mínimo.

Já quem expõe as cagadas assim na cara dura parece se vangloriar delas (nem admite que errou!); acha que tem que ser premiado (!!) e/ou obrigatoriamente perdoado pela honestidade (independentemente do que fez…); não demonstra o mínimo de respeito, nem com a relação, nem com a outra pessoa, e nem com os sentimentos daquela pessoa, está se lixando, e ainda por cima acha que fez tudo certinho!! *rs* CLARO que o certo é agir corretamente – mas se for cagar, que ao menos tente encobrir a própria cagada em sinal de consideração e respeito ao outro, pombas!!! >: E *REZE* para não ser descoberto…

…OOOOOU simplesmente faça a coisa certa: não está satisfeito com uma pessoa a ponto de querer colocar anúncio na primeira página do Diário Oficial procurando outra?? *rs* SEJA HOMEM! Dispense a pessoa de forma cortês e DEPOIS coloque a porra do anúncio!!!!

Garotas, ouçam a música da tia Annie Lennox e aprendam…

Sweet Dreams (Are Made Of This)

Sweet dreams are made of this.
Who am I to disagree?
I traveled the world and the seven seas.
Everybody’s looking for something.
Some of them want to use you…
Some of them want to get used by you…
Some of them want to abuse you…
Some of them want to be abused…

Sweet dreams are made of this.

Who am i to disagree?
I traveled the world and the seven seas.
Everybody’s looking for something.
Some of them want to use you…
Some of them want to get used by you…
Some of them want to abuse you…
Some of them want to be abused…
I wanna use you and abuse you.
I wanna know what’s inside you.
(whispering) hold your head up, movin’ on.
Keep your head up, movin’ on.
Hold your head up, movin’ on.
Keep your head up, movin’ on.
Hold your head up, movin’ on.
Keep your head up, movin’ on.
Movin’ on!
Sweet dreams are made of this.
Who am i to disagree?
I traveled the world and the seven seas.
Everybody’s looking for something.
Some of them want to use you…
Some of them want to get used by you…
Some of them want to abuse you…
Some of them want to be abused…

Lidando com a perda


Não sei lidar com perdas (por isso tento evitá-las a todo custo, inclusive o de não-viver). Nem profissionais, nem de dinheiro, nem de bichinhos de estimação (como gatos!), muito menos de gente. Talvez por isso mesmo fico sempre observando como os outros lidam com ela, para saber se existe alguma técnica que me faça sentir menos impacto na perda, ou superá-la mais rapidamente, ou de maneira mais eficaz. Até agora, niente.

Tem gente que supera as perdas se distraindo – já tentei. Enquanto você está lá se distraindo (ex: vai a uma festa familiar, brinca com as crianças, etc.), beleza. Mas basta voltar pro seu mundinho e pronto…lá está ela, a maledetta! Tem gente que se afoga em leituras, filmes e no trabalho em geral – mas comigo essa técnica tampouco funciona…pelo contrário, fico imprestável. Meu trabalho não rende nada, tenho concentração zero…tanto para trabalho, quanto para leitura, quanto para filmes, enfim…não dá, sempre me pego devaneando sobre a perda novamente. Admiro quem consiga! (eu pessoalmente me distraio escrevendo aqui no blog *rs*)

Outras pessoas preferem fingir que a perda não aconteceu – afinal, você vivia antes mesmo de ter começado o que quer que tenha perdido, certo?? Você não tinha aquele emprego, não tinha aquele bichinho de estimação, não conhecia aquela pessoa, não tinha tido o seu filho que morreu num acidente, enfim…você independia completamente daquilo ou daquela pessoa, então agora não há muito o que lamentar, não aconteceu nada demais, nada que não tivesse acontecido antes…. (nem preciso dizer que comigo essa técnica é absolutamente risível!)

Aí tem aquelas que gritam, choram, enfim, chafurdam na perda até não poder mais, que aí ela passa mais rápido. Nah, nada feito. Já fiz isso também, e a dor da perda apenas se intensifica e quero morrer, sobretudo quando lembro detalhes – que quando estava fingindo que nada havia acontecido, ou quando estava tentando me distrair – que antes havia meio que apagado. Isso acontece geralmente quando tento me distrair ouvindo músicas….xiii, receita para o desastre…

Que mais? Aaaah…tem aqueles que, ao invés de enfrentarem a dor, ao invés de encararem de frente, preferem tentar esquecer a pessoa perdida utilizando uma outra pessoa como muleta física e/ou mental. Muito “ixxxpérrrrtuxxxx” esses, né? Adoro gente que faz isso…sobretudo quando não reconhece que faz!!! Lógico que mais cedo ou mais tarde o resultado é bem esperado: a “muleta” se estrepa. Bastou erguer o p*u ego do fulano que perdeu a fulana dele, agora ele está pronto pra outra…que não seja a muleta, dããã, claro, quem precisa de muleta quando está bem?!? Pior é que ele nem te vê como outra coisa que não muleta…pena. Foi outro que não te deu chance alguma.

Tem ainda quem rasgue fotos, cartas, apague emails, comentários em blogs (engraçado é quando o blog inteiro teria que ser apagado, já que foi feito com amor, carinho e dedicação pela pessoa indesejada *rs*), remova pessoas da lista de contatos – enfim, tente se livrar de tudo o que lembra aquela situação ou pessoa que perdeu. Essa eu já tentei também, em vão…uma amiga minha me obrigou a rasgar a foto do meu ex, dizendo que isso iria me fazer sentir melhor. Lógico que não fez! Ingenuidade *rs* E mais, se for para remover tudo o que lembra alguém importante para mim…terei que me livrar do meu guarda-roupa inteiro, dos meus anéis, pulseiras, livros, bichinhos de pelúcia, tudo, tudo!!!!

Mas tudo bem, supondo que fosse factível. Supondo que eu apagasse todos os emails, chamadas de celular registradas, SMS enviados, e comentários em blog trocados com ele durante mais de um ano, doasse todas as roupas com as quais fui me encontrar com ele, rasgasse as fotos (nesse caso nem seria tão difícil assim, existem apenas 5 ;)) e jogasse fora a Beatriz, minha coelhinha de pelúcia recentemente comprada por ele num dia feliz (assim achava eu…para ele pelo jeito não foi nada) de verão. E daí?? Daí nada. Daí que eu continuaria me lembrando de cor o número de telefone dele, o email dele, o sorriso dele, o rosto dele, a voz, os dias que a gente saiu, as bobagens que falamos, as músicas do Youtube, as palavras doces e as ásperas…e os meus sonhos…é, eu sonhei. Sonhei alto (adoro fantasia, se bobear, muito mais do que você!). Sou tonta. Fui uma anta, e você me machucou demais, muito mais do que imagina, e disso tudo não vou me esquecer nem que todos os meios materiais – virtuais e reais – venham a se acabar.

Não tem como…só rasgando meu cérebro e meu coração. E jogando na lata do lixo parte da minha história, do meu passado, minhas horas de vida vividas ao lado dele – e mesmo sem ele fisicamente presente.

Alguém aí tem método mais eficaz que esse para superar a perda? Se tiver, me avise. Enquanto isso…

PS – Ah, esqueci de um método crucial, bastante empregado por mim: a raiva. Essa aí é a que chega mais perto de ser eficaz. Você tenta se concentrar em tudo de ruim que aconteceu, em tudo que deixou de possivelmente acontecer por causa do orelhudo destino *rs*, em todas as características negativas observadas – e nas outras tantas que você deixou de observar porque estava cega e retardada amando, mas que eventualmente iam acabar vindo à tona, não se engane!!!! -, em todas as horas que você perdeu porque estava devaneando – ou estava de fato – com o dito-cujo, ou então nas horas de estudo perdidas, em tudo de ruim que foi dito (e que na hora você teve que se controlar, mas agora foda-se o que vão pensar), enfim…tem várias coisas bem legais que dá para pensar, focalizando só no “lado negro da força”, entendeu?? Ficar pensando nas coisas boas não leva a lugar algum nessa hora – too late, Marlene!

Caught in a web!!!


Uma colônia de aranhas do gênero anelosimus teceu teias gigantes em copas de árvores, cercas de madeira e no pasto de uma fazenda em Iranduba (região metropolitana de Manaus).

Segundo a especialista em aracnídeos Lidianne Salvatierra, do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), o fenômeno é raro em áreas distantes de florestas nativas.

Antônio Lima – 5.fev.12/Acrítica/Folhapress
Árvores cobertas por teias de aranhas na cidade de Iranduba, com 40 mil habitantes, às margens do rio Solimões
Árvores cobertas por teias de aranhas na cidade de Iranduba, com 40 mil habitantes, às margens do rio Solimões

Salvatierra disse acreditar que as aranhas tenham migrado para as árvores da fazenda por um fenômeno de dispersão.

A espécie de aracnídeo tem menos de um centímetro de comprimento.

“Essas aranhas são originárias de floresta tropical. Como são bem leves, um vento ou um animal pode ter ajudado na dispersão.”

As teias gigantes atraíram a atenção da população de Iranduba, cidade de 40 mil habitantes às margens do rio Solimões.

A imagem das árvores encobertas por teias lembra um cenário de ficção científica. O dono da fazenda não quis se identificar para a equipe do Inpa.

De acordo com a especialista, as aranhas tecem as teias há três meses. Amostras da espécie foram coletadas para pesquisa e registro no instituto.

Segundo a pesquisadora, as aranhas anelosimus se agrupam em teias individuais até a formação de ninhos coletivos –por isso são chamadas de “aranhas sociais”.

As teias servem de abrigo e de armadilha para insetos. Grossos, os fios das teias são resistentes ao calor e à chuva amazônica.

O movimento de borboletas que tentam se livrar das teias consegue desfazer pequenas partes da estrutura. “Mas milhares de aranhas capturam as borboletas antes que isso aconteça”, conta Salvatierra.

Silence disguised
I watch you
Show me the hurt
that haunts you
Would you despise the thrill
If all you hide were mine?

I can’t hold on any longer
These feelings keep growing stronger
Echoes that deafen the mind
will bury my voice in their wake

Caught in a web
Removed from the world
Hanging on by a thread
Spinning the lies
devised in my head

I’ve seen the path
the one you take
shows the truth
for you to make
This turn of phrase
we might not see
is the thirst of desire
found so easily

Try to push me ‘round
the world some more
And make me live in fear
I bare all that I am
made of now
Attractive I don’t care
‘Cause even when I danced with life
no one was there to share

Does this voice the wounds of your soul?
Does this voice the wounds of your soul?

Caught in a web
Removed from the world
Hanging on by a thread
Spinning the lies
devised in my head

Tried to live the life
you live and saw
It doesn’t work for me
I bare all that I am
made of now
Attractive, I can’t be
Inside the Dance of Life is one
I’ll never hold to me

You can’t heal the wounds of my soul.
You can’t heal the wounds of my soul.

Caught in a web
Removed from the world
Hanging on by a thread
Spinning the lies
devised in my head

Caught in a web
Refused by the world
Hanging on by a thread
Spinning a cage
Denied and misread

Novas regras de acentuação e ortografia


Ortografia (podem ler, não tem vírus)