Madame Butterfly


“Borboletinha tá na cozinha fazendo chocolate para a madrinha…” 😛

Anúncios

Propaganda – Advertisement


Não costumo gostar de propagandas – SOBRETUDO as que interrompem minhas visitas ao Youtube…elas irritam 😉 Mas hoje eu estava distraída abrindo outra janela enquanto o vídeo que queria assistir começava a ser carregado, então o anúncio começou a tocar automaticamente e eu mal percebi…por quê? Porque a tal propaganda tinha como música de fundo nada mais nada menos do que a Enjoy the Silence, do Depeche Mode. Fiquei curiosa e continuei assistindo…era uma propaganda da Dior. De muito bom gosto – além da música excelente, ainda por cima tinha como cenário o não menos maravilhoso Palácio de Versalhes (e seu respectivo jardim)…para quem nunca viu como ele é, ou viu partes, é legal assistir. Para quem já foi visitá-lo, é legal assistir também para relembrar o deslumbramento 😛

Claro que tem umas modelos semi-anoréxicas (…) ali, correndo (!) e de sutiã (!) em plena galeria dos espelhos, mas enfim…ah, e aquela lágrima brega que escorre do olho de uma delas também é hiper forçada *rs* Fora isso, a fotografia é impecável, vale a pena assistir, muito bela a propaganda:

‘Secret Garden – Versailles’
A film by Inez van Lamsweerde and Vinoodh Matadin, starring Daria Strokus, Melissa Stasiuk and Xiao Wen Ju in La Galeries Des Glaces – Château de Versailles.
Music by Depeche Mode: ‘Enjoy the Silence’

Words like violence
Break the silence
Come crashing in
Into my little world
Painful to me
Pierce right through me
Can’t you understand
Oh my little girl

All I ever wanted

All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
Vows are spoken
To be broken
Feelings are intense
Words are trivial
Pleasures remain
So does the pain
Words are meaningless
And forgettable
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
Enjoy the silence…

The Nu Project – O Projeto Nu


Women of North America I

Mulheres da América do Norte II

Mulheres da América do Sul

Achei essas fotos muito legais!  Todas as revistas masculinas deveriam ser compostas de mulheres assim, de verdade 🙂 Quem sabe desse jeito eles não esperariam tanto da gente…imagens do que nunca seremos, até porque nunca ninguém foi perfeito 😉 Essas fotos são bacanas também porque nos mostram como ficaremos se – ou quando – estivermos grávidas, acometidas por câncer, formos submetidas a cirurgias, emagrecermos muito e também se ou quando formos mais velhas…

Eles estarão aqui no Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus, Belo Horizonte, talvez Brasília e mais uma cidade, dependendo do interesse das mulheres que enviarem seus dados) nas duas primeiras semanas de novembro para fotografar as mulheres que quiserem ser fotografadas em suas próprias casas. Quem quiser participar (tem que ter mais de 21 anos de idade), basta entrar aqui e preencher o formulário com seus dados (nome, endereço de email, cidade, estado, país e dizendo que tem mais de 21 anos de idade). O ensaio dura em torno de uma hora – você não paga nada para ser fotografada,mas também não recebe nada em troca, apenas 10 fotos suas retocadas, e suas fotos serão expostas no site e num possível livro futuro. Se você não quiser as fotos expostas online, ou seja, se quiser fazer um ensaio privado, eles cobram a partir de 1.500 dólares.

The Nu Project is a series of honest nudes of normal women from all over the world. The project began in 2005 and has stayed true to the original vision: no professional models, minimal makeup and no glamour. The focus of the project has been and continues to be the subjects and their personalities, spaces, insecurities and quirks.

To date, over 100 women across North and South America have participated in the project.  Without their courage, confidence and trust, none of this would have been possible. We are so thankful for their willingness to open their homes to us. 

If you’d like to get involved as a contributor to our fine art book you can find the information to the right.  If you’d like to sign up for a shoot please visit the participation page for more information.

FAQ

Who may participate?

The project is open to women over 21, regardless of body type, weight, etc…  To that end, it is not necessary to submit nude photographs of yourself with your participation request.

Where do you shoot?

Our current series is set in participant homes.  We are Minneapolis-based, but we often do shoots when we travel.  If you are not based in Minneapolis, but you’d like to sign up, please send us a message on the contact form and we will be in touch if we are heading to your city.

Do you pay me / Do I have to pay you?

Participation in the project is free, but for your time you’ll receive approximately 10 retouched, finished images for your own personal use.  We ask that if you use the images online, you accompany each with a photo credit and link to the Nu Project website.

How long does a shoot take?

Usually around an hour if we’re in the studio and approximately 2 hours if we’re on location.

How long does it take to get my images?

Processing times vary depending on how busy we are with other work.  We will contact you by email when your images are ready.

What are you going to do with the images?

They will be part of this website and blog.  We’re also hoping to publish them in a book.

If I don’t want you to use my images online / in print?

This project is all about the wilingness of the subjects to share their stories in a public way.  We understand that it’s not right for everybody, so if you’re interested in a private shoot that doesn’t get published to the Nu Project, those begin at $1500 and include a print credit.  Please contact us if you want more information.

What’s the next step if I want in?

Please fill out the participation form to the right and you’ll be contacted about upcoming shoots.  Thank you!

“Water water everywhere…


…And all the boards did shrink

Water, water, every where

Nor any drop to drink.”



F#d@-se o cupido!


Hahhahahhhahah minha mãe é um barato – sabendo dos meus fiascos, comprou esse livro para mim, e só a capa já vale! *rs* (o subtítulo do livro é: “guia de meninas atrevidas para pegar caras gatos” kkkkkk!!! Apelativo como eu gosto 😉 )

Muito engraçadinha…espero que o conteúdo seja bom também 😉

Diz a sinopse:

“Há uma regra não escrita em nossa sociedade que diz que toda mulher deve sempre esperar para ser paquerada por um homem. No entanto, diversas moças acham isso ultrapassado e estão dispostas a virar o jogo. O problema é que, por não estarem familiarizadas com essa situação, não sabem muito bem como dar início a uma cantada e, muitas vezes, acabam se dando mal.

F#d@-se o cupido! foi escrito para ajudar essas mulheres, tornando-se um guia para quem cansou de esperar o cupido entrar em ação e resolveu assumir o controle de sua vida amorosa. Relatando seus muitos anos de paquera (incluindo as hilariantes tentativas frustradas), Samantha Scholfield revela as técnicas e estratégias que considera mais úteis para seduzir o pretendente escolhido, além de apresentar métodos infalíveis para iniciar uma conversa a qualquer momento e em qualquer lugar – sem o cara sequer reparar que está sendo cantado.

Entre muitas outras coisas, com F#d@-se o cupido!, as mulheres vão conhecer: o que realmente acontece quando se flerta com um cara; cinco técnicas para melhorar as habilidades de paquera e aumentar sua confiança; 51 lugares perfeitos para conhecer o futuro namorado; tudo sobre linguagem corporal; e como usar essas técnicas em namoros on-line.”

“Escrito para as mulheres que acreditam que não é apenas na carreira que se deve manter as rédeas da situação, F#dA-se o cupido! revela-se o guia definitivo para quem quer tomar a iniciativa e abordar os homens sem se meter em saias justas.
A autora Samantha Scholfield estimula a autoconfiança da leitora oferecendo dicas para criar oportunidades de aproximação sem comprometer a autoestima e o bom humor. A leitora receberá orientações sobre os melhores lugares para fazer suas investidas e ainda aprenderá técnicas em que os homens nem percebem que estão sendo abordados. Com esse livro, as mulheres darão o primeiro passo de uma maneira natural e espontânea, virando o jogo da sedução a favor de todos!”

Promete, promete…! Depois eu conto se é luxo ou lixo 😉

Lidando com a perda


Não sei lidar com perdas (por isso tento evitá-las a todo custo, inclusive o de não-viver). Nem profissionais, nem de dinheiro, nem de bichinhos de estimação (como gatos!), muito menos de gente. Talvez por isso mesmo fico sempre observando como os outros lidam com ela, para saber se existe alguma técnica que me faça sentir menos impacto na perda, ou superá-la mais rapidamente, ou de maneira mais eficaz. Até agora, niente.

Tem gente que supera as perdas se distraindo – já tentei. Enquanto você está lá se distraindo (ex: vai a uma festa familiar, brinca com as crianças, etc.), beleza. Mas basta voltar pro seu mundinho e pronto…lá está ela, a maledetta! Tem gente que se afoga em leituras, filmes e no trabalho em geral – mas comigo essa técnica tampouco funciona…pelo contrário, fico imprestável. Meu trabalho não rende nada, tenho concentração zero…tanto para trabalho, quanto para leitura, quanto para filmes, enfim…não dá, sempre me pego devaneando sobre a perda novamente. Admiro quem consiga! (eu pessoalmente me distraio escrevendo aqui no blog *rs*)

Outras pessoas preferem fingir que a perda não aconteceu – afinal, você vivia antes mesmo de ter começado o que quer que tenha perdido, certo?? Você não tinha aquele emprego, não tinha aquele bichinho de estimação, não conhecia aquela pessoa, não tinha tido o seu filho que morreu num acidente, enfim…você independia completamente daquilo ou daquela pessoa, então agora não há muito o que lamentar, não aconteceu nada demais, nada que não tivesse acontecido antes…. (nem preciso dizer que comigo essa técnica é absolutamente risível!)

Aí tem aquelas que gritam, choram, enfim, chafurdam na perda até não poder mais, que aí ela passa mais rápido. Nah, nada feito. Já fiz isso também, e a dor da perda apenas se intensifica e quero morrer, sobretudo quando lembro detalhes – que quando estava fingindo que nada havia acontecido, ou quando estava tentando me distrair – que antes havia meio que apagado. Isso acontece geralmente quando tento me distrair ouvindo músicas….xiii, receita para o desastre…

Que mais? Aaaah…tem aqueles que, ao invés de enfrentarem a dor, ao invés de encararem de frente, preferem tentar esquecer a pessoa perdida utilizando uma outra pessoa como muleta física e/ou mental. Muito “ixxxpérrrrtuxxxx” esses, né? Adoro gente que faz isso…sobretudo quando não reconhece que faz!!! Lógico que mais cedo ou mais tarde o resultado é bem esperado: a “muleta” se estrepa. Bastou erguer o p*u ego do fulano que perdeu a fulana dele, agora ele está pronto pra outra…que não seja a muleta, dããã, claro, quem precisa de muleta quando está bem?!? Pior é que ele nem te vê como outra coisa que não muleta…pena. Foi outro que não te deu chance alguma.

Tem ainda quem rasgue fotos, cartas, apague emails, comentários em blogs (engraçado é quando o blog inteiro teria que ser apagado, já que foi feito com amor, carinho e dedicação pela pessoa indesejada *rs*), remova pessoas da lista de contatos – enfim, tente se livrar de tudo o que lembra aquela situação ou pessoa que perdeu. Essa eu já tentei também, em vão…uma amiga minha me obrigou a rasgar a foto do meu ex, dizendo que isso iria me fazer sentir melhor. Lógico que não fez! Ingenuidade *rs* E mais, se for para remover tudo o que lembra alguém importante para mim…terei que me livrar do meu guarda-roupa inteiro, dos meus anéis, pulseiras, livros, bichinhos de pelúcia, tudo, tudo!!!!

Mas tudo bem, supondo que fosse factível. Supondo que eu apagasse todos os emails, chamadas de celular registradas, SMS enviados, e comentários em blog trocados com ele durante mais de um ano, doasse todas as roupas com as quais fui me encontrar com ele, rasgasse as fotos (nesse caso nem seria tão difícil assim, existem apenas 5 ;)) e jogasse fora a Beatriz, minha coelhinha de pelúcia recentemente comprada por ele num dia feliz (assim achava eu…para ele pelo jeito não foi nada) de verão. E daí?? Daí nada. Daí que eu continuaria me lembrando de cor o número de telefone dele, o email dele, o sorriso dele, o rosto dele, a voz, os dias que a gente saiu, as bobagens que falamos, as músicas do Youtube, as palavras doces e as ásperas…e os meus sonhos…é, eu sonhei. Sonhei alto (adoro fantasia, se bobear, muito mais do que você!). Sou tonta. Fui uma anta, e você me machucou demais, muito mais do que imagina, e disso tudo não vou me esquecer nem que todos os meios materiais – virtuais e reais – venham a se acabar.

Não tem como…só rasgando meu cérebro e meu coração. E jogando na lata do lixo parte da minha história, do meu passado, minhas horas de vida vividas ao lado dele – e mesmo sem ele fisicamente presente.

Alguém aí tem método mais eficaz que esse para superar a perda? Se tiver, me avise. Enquanto isso…

PS – Ah, esqueci de um método crucial, bastante empregado por mim: a raiva. Essa aí é a que chega mais perto de ser eficaz. Você tenta se concentrar em tudo de ruim que aconteceu, em tudo que deixou de possivelmente acontecer por causa do orelhudo destino *rs*, em todas as características negativas observadas – e nas outras tantas que você deixou de observar porque estava cega e retardada amando, mas que eventualmente iam acabar vindo à tona, não se engane!!!! -, em todas as horas que você perdeu porque estava devaneando – ou estava de fato – com o dito-cujo, ou então nas horas de estudo perdidas, em tudo de ruim que foi dito (e que na hora você teve que se controlar, mas agora foda-se o que vão pensar), enfim…tem várias coisas bem legais que dá para pensar, focalizando só no “lado negro da força”, entendeu?? Ficar pensando nas coisas boas não leva a lugar algum nessa hora – too late, Marlene!

Cabelo, cabeleira, cabeluda, descabelada

Esta galeria contém 45 imagens.


Minha mãe está cansada do corte de cabelo dela, e queria mudar…tendo ela ficado insatisfeita com os resultados das mudanças virtuais de corte de cabelo, resolvi colocar essa minha fotinho e brincar de corte novo também! *rs* Vejam os resultados (detalhe que os de cabelo curto não dá para visualizar direito pelo fato de o […]