Like a rainbow in the dark!


…somewhere over the rainbow…nah, DIOOOO!!!! 😛

Obs: aí no meio das fotos tem a tal da “rainbow rose” = rosa arco-íris. Nem sabia que isso existia!!! Vocês já tinham visto?? Só louco pra fazer dessas mesmo 😛

Madame Butterfly


“Borboletinha tá na cozinha fazendo chocolate para a madrinha…” 😛

Stephen Hawking


More wallpapers! Mais wallpapers!


English: fall leaves wallpaper, fall season wa...

English: fall leaves wallpaper, fall season wallpapers, fall wallpaper hd, fall colors wallpaper, fall harvest wallpaper (Photo credit: Wikipedia)

Como não dá mais para postar figuras aqui (exceto as que já salvei como rascunho), coloquei diversos papeis de parede no meu outro blog, confiram…

wallpapers 1

wallpapers 2

wallpapers 3

wallpapers 4

wallpapers 5

wallpapers for children 1

wallpapers for children 2

wallpapers for children 3

wallpapers for children 4

Given the fact that I can no longer post images here (except for those that have already been saved as drafts), I have posted several wallpapers in my other blog, check them out in the links above!

Sobre pré-julgamentos e não gostos (2)


Já escrevi sobre isso aqui, mas após uma conversa que tive meses atrás, não posso deixar de voltar ao tema…

Você, que adora apontar o dedo para o meu nariz acusativamente – o que, aliás, é 100% desnecessário, pois nunca neguei que sou preconceituosa – com certeza tem seus próprios preconceitos. Todo mundo tem.

Sim, é óbvio que estas pessoas

têm sentimentos e têm QI (aliás, se tem uma coisa que não me faz invejar as gostosas profissionais é que elas nunca vão saber ao certo quando um cara gosta mesmo delas ou se aproximou – e continua com elas – meramente por causa de suas taras babonas. “Nunca” não…na verdade, assim que elas saírem do holofote, pois deixaram de se cuidar, ou pelo simples fato de que o tempo passou, aí quem sabe elas terão a chance de serem vistas pelo que realmente não, e não pela coxona, bundona ou peitão que outrora ostentavam e atraíam tantos olhares e paus) – algumas delas se bobear devem ter QI muito mais alto que o nosso *rs* (uma vez conheci uma groupie lindíssima e de inteligência acima da média).

Só que…todos sabem (se não sabem, deveriam saber!): é necessário muito tempo, investimento econômico e dedicação para atingir o grau de perfeição corporal (e de habilidades sexuais) universalmente admirado. É uma questão basicamente matemática: quando são necessárias 8 horas diárias para a manutenção e o aperfeiçoamento corporal e sexual, tais 8 horas não podem ser dedicadas ao estudo ou ao ensino ou à pratica de atividades mais progressistas e úteis à humanidade, simples assim. Já dizia nossa querida e falecida Cecília Meireles, num poeminha para crianças:

Ou isto ou aquilo

Ou se tem chuva e não se tem sol
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo . . .
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranqüilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Em compensação, quem se dedica a atividades não-corporais, necessariamente vai ficar com o corpo dito “meia-boca”. Talvez não por completo, se fizer atividades físicas durante uma hora diariamente, mas nunca vai conseguir obter os mesmos resultados de quem se submete a inúmeros tratamentos de beleza e horas de malhação. Um equilíbrio perfeito entre trabalho intelectual e trabalho físico é muito difícil de se alcançar. Por isso minha grande admiração pelos monges do templo Shaolin (na verdade, os monges são apenas um exemplo específico…me refiro aqui a diversas filosofias orientais), que se dedicam com igual disciplina ao aprimoramento integral do corpo e da mente

O meu problema com a galera que costumo denominar “100% casca” (maldade! *rs*) é…bom, o meu problema com essa galera são vários, na verdade 😉 Vou tentar listar (sem ordem de importância):

  • a questão do corpo como mercadoria, que é simplesmente brochante para mim…corpo como moeda de troca, como mecanismo de enganação ou de manipulação, enfim…
  • o desperdício das potencialidades humanas – preciso elaborar?? Ok, todo mundo tem QI, as gostosas e os gostosos têm QI, beleza! – porém, por mais alto que seja esse QI, pode-se sempre aprimorá-lo
  • o desperdício material (1) – nosso planeta já não está suficientemente devastado?? Quanto recurso natural gasto em mercadorias desnecessárias – cremes disso e daquilo, depiladores dos mais variados, trecos e cacarecos de plástico que depois vão inevitavelmente virar lixo, e por aí vai…
  • o desperdício material (2) – a casca – por mais bem tratada que seja por exercícios físicos, dieta regrada, cremes anti-rugas, óleo perfumadinho, glitter, blablabla – vai morrer 😉 E, quando se for, o quê exatamente essa casca terá deixado no mundo (exceto seus restos para serem reciclados pela natureza)? Qual o legado da casca? A ideia de que o corpo é mercadoria? Ou quem sabe a ideia de que sem sacrifício e sofrimento (quem faz depilação com cera sabe! *rs*) não há beleza? 😉
  • tá, precisaria elaborar muito mais sobre o desperdício das potencialidades humanas…as pessoas que poderiam ser ajudadas (mas não foram), as coisas que poderiam ser inventadas (mas não foram), a consciência que poderia atingir graus mais elevados de capacidade cognitiva…afff, juro que não sinto necessidade de elaborar esse argumento, pô, o desperdício das potencialidades é tão óbvio e tão absurdamente gigantesco que só um bocó não conseguiria perceber!
  • o desperdício das oportunidades (escrevo mais abaixo)

Além da galera 100% casca, sabe quem mais tem QI e sentimentos? Essa galera aqui:

É, acho que você, que apontou o dedo para o meu nariz pelo meu preconceito contra as moças que se dedicam a atividades sobretudo eróticas (dos mais diversos graus), também tem preconceito. Você nunca olharia para uma uma mulher do lixão como olharia para uma mulher profissionalmente gostosa, e nem para essa moça aqui:

Ou para a Alison Lapper:

Você jamais as trataria da mesma forma. E todas tem QI! Todas têm sentimento!

Eu não posso deixar de ver a correlação, sabe? Entre a indiferença, o descaso e a miséria e o preconceito contra uns, e o protecionismo com outros. As gostosas sempre serão endeusadas, admiradas e cobiçadas.

Exclusivamente pelo corpo. Isso não é preconceito? Ah, pelo corpo e, segundo alguns bocós babões, porque “elas também têm sentimentos e QI, sabia??” *rs*

O meu problema com a “galera casca” não é só com o que essa galera deixa de realizar ao se dedicar exclusivamente ao corpo. É que essa galera teve – e tem – oportunidades que a galera do lixão, e a galera que faz parte do time dos deficientes físicos (tá, eu sei, “portadores de necessidades especiais”, que seja), jamais tiveram ou terão. A maioria dessas gostosas são provenientes das classes média ou média-alta, tiveram famílias estruturadas, estudaram em boas escolas (se aproveitaram delas ou não, aí são outros quinhentos…), enfim, tinham tudo para evoluir enquanto ser humano integral, mas preferiram pegar o “atalho”, porque é muito mais fácil dar umas reboladas, mostrar um pedaço do peitinho nos Big Brothers da vida, dormir com algum figurão de alguma emissora de TV, e voilà! 15 minutos de fama, capa da Playboy e uns milhões embolsados.

Bom, não sei se ficou claro o que eu queria dizer, estou com sono, talvez o texto tenha ficado confuso ou incompleto, mas de toda forma acho que deu pra sacar a essência da coisa, e complementar aquele meu primeiro post.

Sigmund Freud


Diva de Freud

Diva de Freud (Photo credit: Wikipedia)

Sigmund Freud, founder of psychoanalysis, smok...

Sigmund Freud, founder of psychoanalysis, smoking cigar. Español: Sigmund Freud, fundador del psicoanálisis, fumando. Česky: Zakladatel psychoanalýzy Sigmund Freud kouří doutník. (Photo credit: Wikipedia)

Sigmund Freud, foi um médico neurologista judeu-austríaco, fundador da psicanálise. Freud nasceu em Freiberg, na época pertencente ao Império Austríaco; atualmente a localidade é denominada Pribor, na República Tcheca.

Freud iniciou seus estudos pela utilização da hipnose como método de tratamento para pacientes com histeria. Ao observar a melhoria de pacientes de Charcot, elaborou a hipótese de que a causa da doença era psicológica, não orgânica. Essa hipótese serviu de base para seus outros conceitos, como o do inconsciente. Freud também é conhecido por suas teorias dos mecanismos de defesa, repressão psicológica e por criar a utilização clínica da psicanálise como tratamento da psicopatologia, através do diálogo entre o paciente e o psicanalista. Freud acreditava que o desejo sexual era a energia motivacional primária da vida humana, assim como suas técnicas terapêuticas. Ele abandonou o uso de hipnose em pacientes com histeria, em favor da interpretação de sonhos e da livre associação, como fontes dos desejos do inconsciente.

Suas teorias e seu tratamento com seus pacientes foram controversos na Viena do século XIX, e continuam a ser muito debatidos hoje. Suas ideias são frequentemente discutidas e analisadas como obras de literatura e cultura geral em adição ao contínuo debate ao redor delas no uso como tratamento científico e médico.

English: Entrance to Freuds consulting room

English: Entrance to Freuds consulting room (Photo credit: Wikipedia)

Pensamento e Linguagem

Em suas teorias, Freud afirma que os pensamentos humanos são desenvolvidos, obtendo acesso à consciência, por processos diferenciados, relacionando tal ideia à de que a sistemática do nosso cérebro trabalha essencialmente com o campo da semântica, isto é, a mente desenvolve os pensamentos num sistema intrincado de linguagem baseados em imagens, as quais são meras representações de significados latentes.

English: Sigmund Freud's signature.

English: Sigmund Freud’s signature. (Photo credit: Wikipedia)

Teoria da Representação
O fenômeno representacional psíquico está relacionado ao sistema sistema nervoso humano. As representações, segundo Freud, são analógicas e imagéticas. Estas se inter-relacionam através de redes associativas. As redes associativas das representações são provenientes do processo fisiológico cerebral, o qual se baseia em uma rede de neurônios. Esse processo ocorre através de um mecanismo reflexo: a informação parte por uma rede associativa de neurônios até chegar à região motora e sensorial. Ela provoca então, modificações nas células centrais, causando a formação das representações.

Enquanto elementos, as representações são originadas da percepção sensorial do indivíduo. São unidades mentais tanto de objetos, como de situações, sensações, relações.

English: Group photo in front of Clark Univers...

English: Group photo in front of Clark University Sigmund Freud, G. Stanley Hall, Carl Jung; Back row: Abraham A. Brill, Ernest Jones, Sándor Ferenczi. Photo taken for Clark University in Worcester, Massachusetts publication. Česky: Foto z Clarkovy univerzity roku 1909. Dole (zleva) Sigmund Freud, G. Stanley Hall, Carl Jung, nahoře (zleva) Abraham A. Brill, Ernest Jones, Sándor Ferenczi (Photo credit: Wikipedia)

A representação de objeto, também chamada de representação da “coisa”, é “… um complexo de associações, formado por uma grande variedade de apresentações visuais, acústicas, táteis, cenestésicas e outras”, de acordo com Freud.

As emoções, por exemplo, são processos de descarga de energia, que são percebidos como os sentimentos. São as chamadas representações imagéticas, que não formam imagens psíquicas, e sim traços mnésicos de sensações.

Español: Sombrero de Sigmund Freud. Museo de F...

Español: Sombrero de Sigmund Freud. Museo de Freud, Viena (Photo credit: Wikipedia)

É preciso destacar que as relações entre as representações não são a demonstração e a manifestação dos sentimentos, dos afetos, das emoções. A relação entre os tipos de representação formam as ideias, ou seja, as relações associativas contidas nas representações de objeto (captadas pelos processos perceptivos) formam os complexos de sensações associados dando origem a uma representação completa. Portanto, um único objeto representado na mente é constituído por seus vários aspectos sensoriais da realidade externa: cor, gosto, textura, cheiro e coisas do gênero.

Teoria do processo de pensamento

Segundo Freud, o processo de pensamento é a ativação ou inibição dos complexos de sensações associadas que tornam possível o fenômeno representacional psíquico, o que se dá através da energia que flui no sistema nervoso pelos sistemas de neurônios. Podemos distinguir, neste processamento, um primário e um secundário.

Processo Primário

Associado ao inconsciente, o processamento primário do pensamento é aquele que dirige ações imediatas ou reflexas, sendo associado, assim, ao prazer, ao emocional do indivíduo e ao fenômeno de arco-reflexo. Nele, a energia presente no aparelho mental flui livremente pelas representações, do pólo do estímulo ao da resposta.

Handwriting of Freud

Handwriting of Freud (Photo credit: Wikipedia)

Processo Secundário

O processo de pensamento secundário, por outro lado, está associado ao pré-consciente, também chamado de “ação interiorizada” ou, ainda, de “processo racional do pensamento”. Nele, o escoamento de energia mental fica retido, só acontecendo após uma série de associações, as quais refletem no aparelho psíquico. As ações decorrentes dessa forma de processamento devem ser tomadas com base no mundo externo, no contexto em que a pessoa se encontra e em seus objetivos. Assim, ao contrário da energia do processo primário, que é livre, a energia do secundário é condicional.

Pequeno documentário com uma breve idéia da vida e obra de Sigmund Freud.
Lembro que ele é bem curto, dá apenas uma idéia básica de quem foi Freud. A pesquisa e leitura aprofundadas são insubstituíveis 🙂

My heart will go on :P

Esta galeria contém 159 imagens.


Trilha sonora para ouvir enquanto vêem as figuras do post (brega, claro!): Soundtrack to listen to while you check this post (very kitschy, of course!):