Saiba como foram escolhidas as cores do inverno


Na década de 1990, a moda passou por uma transformação radical. O estilo não era mais ditado pelas marcas, mas pelo que as pessoas estavam usando nas ruas. O historiador inglês Ted Polhemus denominou este fato como “supermercado de estilos”, ou seja, você poderia escolher seu próprio estilo, como se escolhesse uma lata de sopa numa prateleira de supermercado. Isso trouxe uma liberdade maior de escolhas, mas também o desafio para o mercado de acertar o que vai estar em alta na próxima estação e minimizar os possíveis prejuízos de uma coleção de roupas encalhadas por não traduzirem os desejos do consumidor.
Foi neste período que surgiram os “cool hunters”, algo como “caçadores de tendências”, que se especializaram em buscar no presente sinais de comportamento e atitudes que ganharão as ruas no futuro, orientando a criação de produtos de consumo.  Eles trabalham em escritórios, como o WGSN, que presta serviço de pesquisa online, análise de tendências e notícias para as indústrias da moda e estilo.
“A cada seis meses, nosso time se reúne para pensar as macrotendências que vão reger as próximas estações. Nesses encontros, fazemos um ‘brainstorm´ (tempestade de ideias, em inglês) com o que cada um tem visto em sua região e conectamos os pontos. Somos estimulados por pesquisas visuais e de dados e conseguimos chegar a três macrotemas que vão guiar o comportamento do consumidor nos próximos dois anos. Daí, saem os temas, cores e materiais que vamos utilizar em determinada estação”, explica Carolina Althaller, relações públicas do WGSN no Brasil. Para se ter uma ideia do calendário da empresa, em dezembro de 2011 foram lançadas as macrotendências para o inverno de 2014 no país.
Para o outono/inverno de 2012, o grande tema trabalhado foi “O triunfo da beleza”.  De acordo com Carolina, depois dos momentos econômicos difíceis por que o mundo passou, vive-se um “novo começo”, com consumidores mais exigentes em relação aos produtos. Eles querem peças que aliem excelente design, tenham uma tecnologia inspiradora e que, de alguma forma, melhorem suas vidas. “Cabe à indústria criativa reconhecer essa mudança de pensamento e explorar a noção de beleza que equilibra íntimo e visionário, decorativo e funcional, para este novo recomeço”, disse ela.
Apesar de tudo isso parecer abstrato demais para o consumidor final do s produtos de moda, foi a partir destes conceitos que a indústria criativa começou sua produção para o próximo inverno. Uma cena do filme “O Diabo Veste Prada” (2002) ajuda a entender este complexo processo: a editora de moda Miranda Priestly (Meryl Streep) está escolhendo entre dois cintos azuis, quando escuta uma risada de sua nova assistente Andy (Anne Hathaway), que não entendia a diferença entre as peças. O comentário da editora é uma aula sobre o assunto.
“Você acha que isso não tem nada a ver com você. Você abre o seu guarda-roupa e pega, sei lá, um suéter azul todo embolado, porque você está tentando dizer ao mundo que você é séria demais para se preocupar com o que vestir. Mas o que você não sabe é que esse suéter não é somente azul. Não é turquesa. É “sirilio”. E você também é cega para o fato de que em 2002, Oscar de La Renta fez uma coleção com vestidos somente nesse tom. (…) E o sirilio começou a aparecer nas coleções de muitos estilistas. E logo chegou às lojas de departamentos. (…) E foi assim que chegou a você. E sem dúvida esse azul representa milhões de dólares em incontáveis empregos. E é meio engraçado como você acha que fez uma escolha que te exclui da indústria da moda, quando, na verdade, você está usando um suéter que foi selecionado para você pelas pessoas nesta sala entre uma pilha de coisas”.
Então, lembre-se que o que parece ser um gosto exclusivamente pessoal, como escolher entre uma camisa azul ou outra cinza, na verdade, é uma construção muito sofisticada que envolve pesquisa e movimenta um mercado no mundo de mais de um bilhão de dólares por ano.

Propaganda – Advertisement


Não costumo gostar de propagandas – SOBRETUDO as que interrompem minhas visitas ao Youtube…elas irritam 😉 Mas hoje eu estava distraída abrindo outra janela enquanto o vídeo que queria assistir começava a ser carregado, então o anúncio começou a tocar automaticamente e eu mal percebi…por quê? Porque a tal propaganda tinha como música de fundo nada mais nada menos do que a Enjoy the Silence, do Depeche Mode. Fiquei curiosa e continuei assistindo…era uma propaganda da Dior. De muito bom gosto – além da música excelente, ainda por cima tinha como cenário o não menos maravilhoso Palácio de Versalhes (e seu respectivo jardim)…para quem nunca viu como ele é, ou viu partes, é legal assistir. Para quem já foi visitá-lo, é legal assistir também para relembrar o deslumbramento 😛

Claro que tem umas modelos semi-anoréxicas (…) ali, correndo (!) e de sutiã (!) em plena galeria dos espelhos, mas enfim…ah, e aquela lágrima brega que escorre do olho de uma delas também é hiper forçada *rs* Fora isso, a fotografia é impecável, vale a pena assistir, muito bela a propaganda:

‘Secret Garden – Versailles’
A film by Inez van Lamsweerde and Vinoodh Matadin, starring Daria Strokus, Melissa Stasiuk and Xiao Wen Ju in La Galeries Des Glaces – Château de Versailles.
Music by Depeche Mode: ‘Enjoy the Silence’

Words like violence
Break the silence
Come crashing in
Into my little world
Painful to me
Pierce right through me
Can’t you understand
Oh my little girl

All I ever wanted

All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
Vows are spoken
To be broken
Feelings are intense
Words are trivial
Pleasures remain
So does the pain
Words are meaningless
And forgettable
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
All I ever wanted
All I ever needed
Is here in my arms
Words are very
Unnecessary
They can only do harm
Enjoy the silence…

Com que roupa eu vou?

Esta galeria contém 14 imagens.


lingerie da Victoria’s Secret – noivinhas sexy 😉 *rsrsrs* tipos de vestidos que toda mulher deveria ter no armário (só vou reproduzir o texto aqui, caso algum dia o link saia do ar; quem quiser ver as fotos, clique no link – essas fotos abaixo são completamente aleatórias – cliquem para vê-las no tamanho original) “Toda […]

Modelo grávida desfila completamente nua na Semana de Moda de Londres


Acabei de ler esta notícia. Grande coisa! O Altman já fez isso há muito tempo no filme Prêt-à-Porter (Ready to Wear), no qual ele critica sem dó a indústria da moda – no final do filme, a modelo grávida desfila nua, assim como todas as outras, em solidariedade à colega, como forma de protesto. Maravilhoso, recomendo 🙂

O veludo volta e é tendência para o próximo inverno


aleluia a moda e eu finalmente concordamos!!! Cafona o nariz, veludo é lindo e gostoso :D

O veludo é um material de toque macio, aspecto brilhante, de pelos curtos e densos, criado na Índia e popularizado na Europa, na Idade Média. No início da década de 1970, ele passou a ser usado em peças para o dia-a-dia e, de tempos em tempos, o tecido sai e retorna à moda.

Após algumas estações sendo considerado “cafona”, ele voltou.

via O veludo volta e é tendência para o próximo inverno – Moda – UOL Estilo: Moda, dicas de beleza, comportamento e estilo de vida.

Aleluia, a moda e eu finalmente concordamos!!! Cafona o nariz!, veludo é lindo e gostoso 😀 Adoro plush também (sim, sou considerada brega até o último fio de cabelo, que se dane)