Tribunal Popular da USP


A reitoria no banco dos réus!

18 e 19 de junho
Cidade Universitária – USP

Mais informações: www.facebook.com/TribunalPopulardaUSP

AM recitando Byron e Baudelaire


Trevas

Eu tive um sonho que não era em tudo um sonho
O sol esplêndido extinguira-se, e as estrelas
Vaguejavam escuras pelo espaço eterno,
Sem raios nem roteiro, e a enregelada terra
Girava cega e negrejante no ar sem lua;
Veio e foi-se a manhã – veio e não trouxe o dia;
E os homens esqueceram as paixões, no horror
Dessa desolação; e os corações esfriaram
Numa prece egoísta que implorava luz:
E eles viviam ao redor do fogo; e os tronos,
Os palácios dos reis coroados, as cabanas,
As moradas, enfim, do gênero que fosse,
Em chamas davam luz; cidades consumiam-se
E os homens se juntavam juntos às casas ígneas
Para ainda uma vez olhar o rosto um do outro;
Felizes enquanto residiam bem à vista
dos vulcões e de sua tocha montanhosa;
Expectativa apavorada era a do mundo;
queimavam-se as florestas – mas de hora em hora
Tombavam, desfaziam-se – e, estralando, os troncos
Findavam num estrondo – e tudo era negror.
À luz desesperante a fronte dos humanos
Tinha um aspecto não terreno, se espasmódicos
Neles batiam os clarões; alguns, por terra,
Escondiam chorando os olhos; apoiavam
Outros o queixo às mãos fechadas, e sorriam;
Muitos corriam para cá e para lá,
Alimentando a pira, e a vista levantavam
Com doida inquietação para o trevoso céu
A mortalha de um mundo extinto; e então de novo
Com maldições olhavam a poeira, e uivavam,
Rangendo os dentes; e aves bravas davam gritos
E cheias de terror voejavam junto ao solo,
Batendo asas inúteis; as mais rudes feras
Chegavam mansas e a tremer; rojavam víboras,
E entrelaçavam-se por entre a multidão,
Silvando, mas sem presas – e eram devoradas.
E fartava-se a Guerra que cessara um tempo,
E qualquer refeição comprava-se com sangue;
E cada um sentava-se isolado e torvo,
Empanturrando-se no escuro; o amor findara;
A terra era uma idéia só – e era a de morte
Imediata e inglória; e se cevava o mal
Da fome em todas as entranhas; e morriam
Os homens, insepultos sua carne e ossos;
Os magros pelos magros eram devorados,
Os cães salteavam os seus donos, exceto um,
Que se mantinha fiel a um corpo, e conservava
Em guarda as bestas e aves e os famintos homens,
Até a fome os levar, ou os que caíam mortos
Atraírem seus dentes; ele não comia,
Mas com um gemido comovente e longo, e um grito
Rápido e desolado, e relambendo a mão
Que já não o agradava em paga – ele morreu.
Finou-se a multidão de fome, aos poucos; dois,
Porém, de uma cidade enorme resistiram,
Dois inimigos, que vieram encontrar-se
Junto às brasas agonizantes de um altar
Onde se haviam empilhado coisas santas
Para um uso profano; eles as revolveram
E trêmulos rasparam, com as mão esqueléticas,
As débeis cinzas, e com um débil assoprar
Para viver um nada, ergueram uma chama
Que não passava de um arremedo; então alcançaram
Os olhos quando ela se fez mais viva, e espiaram
O rosto um do outro – ao ver, gritaram e morreram
– Morreram de sua própria e mútua hediondez,
Sem um reconhecer o outro em cuja fronte
Grafara a fome “diabo”. O mundo se esvaziara,
O populoso e forte era um informe massa,
Sem estações nem árvore, erva, homem, vida,
Massa informe de morte – um caos de argila dura.
Pararam lagos, rios, oceanos: nada
Mexia em suas profundezas silenciosas;
Sem marujos, no mar as naus apodreciam,
Caindo os mastros aos pedaços; e, ao caírem,
Dormiam nos abismos sem fazer mareta,
Mortas as ondas, e as marés na sepultura,
Que já findara sua lua senhoril.
Os ventos feneceram no ar inerte, e as nuvens
Tiveram fim; a Escuridão não precisava
De seu auxílio – as Trevas eram o Universo.

O crepúsculo da tarde

Anão e servos, menestrel e bardos,
o árabe narrador e as bailarinas
desertaram das salas do banquete.
Haydéa e seu amante, a sós, estavam,
vendo o sol que em desmaio no ocidente
bordava o céu de franjas cor-de-rosa.

Ave-Maria! estrela do viandante,
tu conduzes ao pouso o peregrino
que anda, longe dos seus, na terra estranha.
Salve, estrela do mar; em ti se fitam
olhos e coração do marinheiro
que no oceano te saúda agora.
Salve, rainha excelsa, Ave-Maria!
Ei-la que chega a hora do teu culto,
à tardinha, em céu meigo, à luz do ocaso!

Bendita seja est’hora tão querida,
e o tempo, e o clima, e os sítios suspirados,
onde eu gozava na manhã da vida
o enlevo, – o santo enlevo, – deste instante!
Soava ao longe, – bem me lembro ainda, –
na velha torre o sino do mosteiro;
subia ao céu em notas morredouras
o harmonioso cântico da tarde;
era tudo silêncio, – e só se ouvia
a natureza a suspirar seus hinos
de arroubo e fé, – de devoção e pasmo.

Hora do coração, do amor, das preces,
Salve, Maria. Enlevo a ti minha alma,
Como é formoso o oval de teu semblante!
Amo teu rosto feiticeiro e belo,
amo o doce recato de teus olhos,
que se cravam na terra, enquanto adejam
sobre tua puríssima cabeça
cândidas asas de celeste anúncio!
Será isto um painel da fantasia?
Um quadro, um canto, uma legenda, um sonho?
Não! somente me prostro ante a verdade.

Aprazem-se uns obscuros casuístas
em criminar-me de ímpio. – Eles que venham
ajoelhar-se e suplicar comigo…
Veremos qual de nós melhor conhece
o caminho do céu. – São meus altares
as montanhas, as vagas do oceano,
a terra, o ar, os astros, o universo,
tudo o que emana da sublime Essência,
de onde exalou-se, e aonde irá minh’alma.

Hora doce do trêmulo crepúsculo!
quantas vezes errante, junto à praia,
na solidão dos bosques de Ravena,
que se alastram por onde antigamente
flutuavam as ondas do Adriático,
Bosques frondosos, para mim sagrados
pelos graciosos contos do Boccácio,
pelos versos de Dryden; – quantas vezes
aí cismei aos arrebóis da tarde!

Tudo o que há de mais grato, a ti devemos,
ó Héspero: – ao romeiro fatigado
dás a hospedagem: – a cansado obreiro,
a refeição da tarde; – ao passarinho,
a asa da mãe; – ao boi, o aprisco:
toda a paz que se goza em torno aos lares,
o quente, o meigo aninho dos penates,
descem contigo à hora do repouso,
tu coas n’alma o doce da saudade;
moves o coração, que a vez primeira
sai da terra natal, deixa os amigos,
e anda à mercê das ondas do oceano:
enterneces, enfim, o peregrino
ao som da torre, cuja voz sentida
como que chora o dia moribundo.

Embriaguem-se
(Baudelaire)

Há que estar sempre embriagado. Tudo está nisto: é a única questão. Para não sentir o terrível fardo do Tempo que lhes dilacera os ombros e os encurva para a terra, embriagar-se sem cessar é preciso.

Mas de quê? De vinho, poesia ou virtude, a escolha é sua. Mas embriaguem-se.

E se às vezes, nas escadarias de um palácio, na verde relva de um barranco, na solidão morna do seu quarto, vocês acordarem, com a embriaguez já diminuída ou sumida, perguntem ao relógio, ao vento, à vaga, às estrelas, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntem que horas são; e o relógio, o vento, a vaga, a estrela, as aves responderão: “É hora de embriagar-se! Para não serem os escravos martirizados do Tempo, embriaguem-se; sem cessar embriaguem-se! De vinho, poesia ou virtude, a escolha é sua.

Massagem (proibido para menores de 18) – Massage (18+!!! NSFW)


Juro que cheguei a esses vídeos por acaso… Puxa, bem legal 😛

http://neotantra.com/artigos-tantra/24/massagem-tantrica-do-lingam-preview-do-dvd

http://www.xhamster.com/movies/262317/yoni_massage.html

http://neotantra.com/artigos-tantra/289/massagem-tantrica-da-yoni-preview-do-dvd

http://www.xhamster.com/movies/835948/orgasmic_erotic_yoni_massage_with_oil_nv.html

http://neotantra.com/artigos-tantra/325/massagem-tantrica-preview-do-dvd

Ah, no site em que encontrei 2 desses vídeos, tem umas coisas bacanas:

http://neotantra.com/categoria/38/dicas-e-toques

Informações sobre massagem Yoni em SP e outras cidades brasileiras: http://www.yonimassagem.com.br/

2 músicas:


Your cruel device
Your blood like ice
One look could kill
My pain, your thrill
I want to love you, but I better not touch (Don’t touch)
I want to hold you but my senses tell me to stop
I want to kiss you but I want it too much (Too much)
I want to taste you but your lips are venomous poison
You’re poison

runnin’thru my veins
You’re poison, I don’t want to break these chains
Your mouth, so hot
Your web, I’m caught
Your skin, so wet

Black lace on sweat
I hear you calling and it’s needles and pins (And pins)
I want to hurt you just to hear you screaming my name
Don’t want to touch you but you’re under my skin (Deep in)
I want to kiss you but your lips are venomous poison
You’re poison runnin’thru my veins
You’re poison, I don’t want to break these chains
Poison
One look could kill
My pain, your thrill
I want to love you, but I better not touch (Don’t touch)
I want to hold you but my senses tell me to stop
I want to kiss you but I want it too much (Too much)
I want to taste you but your lips are venomous poison
You’re poison runnin’thru my veins
You’re poison, I don’t want to break these chains
Poison
I want to love you, but I better not touch (Don’t touch)
I want to hold you but my senses tell me to stop
I want to kiss you but I want it too much (Too much)
I want to taste you but your lips are venomous poison, yeah
I don’t want to break these chains Poison, oh no
Runnin’deep inside my veins, Burnin’deep inside my veins
It’s poison I don’t want to break these chains

I don’t know where I’m going
but I sure know where I’ve been
hanging on the promises in songs of yesterday.
And I’ve made up my mind, I ain’t wasting no more time
but here I go again, here I go again.

Though I keep searching for an answer
I never seem to find what I’m looking for.
Oh Lord, I pray you give me strength to carry on
‘cos I know what it means to walk along the lonely street of dreams.

Here I go again on my own
goin’ down the only road I’ve ever known.
Like a drifter I was born to walk alone.
An’ I’ve made up my mind, I ain’t wasting no more time.

Just another heart in need of rescue
waiting on love’s sweet charity
an’ I’m gonna hold on for the rest of my days
‘cos I know what it means to walk along the lonely street of dreams.

Here I go again on my own
goin’ down the only road I’ve ever known.
Like a hobo I was born to walk alone.
An’ I’ve made up my mind, I ain’t wasting no more time
but here I go again, here I go again,
here I go again, here I go.

An’ I’ve made up my mind, I ain’t wasting no more time.

Here I go again on my own
goin’ down the only road I’ve ever known.
Like a drifter I was born to walk alone
‘cos I know what it means to walk along the lonely street of dreams.

Here I go again on my own
goin’ down the only road I’ve ever known.
Like a drifter I was born to walk alone.
An’ I’ve made up my mind, I ain’t wasting no more time
but here I go again, here I go again,
here I go again, here I go,
here I go again
——————————————————————————–
“Here I Go Again” is a song recorded by Whitesnake. Originally released on their 1982 album, Saints & Sinners, the song was re-recorded for their eponymous 1987 album Whitesnake. The song was re-recorded yet another time in 1987 in a new “radio” version. The 1987 version hit number one on the Billboard Hot 100 chart on October 10, 1987, and number nine on the UK Singles Chart on November 28, 1987. The 1987 version also hit number one on the Canadian Singles Chart on October 24, 1987. In 2006, the 1987 version was named the 17th Greatest Song of the 1980s by VH1.

Hoje é primeiro de abril


…ou seja, dia da mentira – e dia dos bobos (em inglês o nome é “April Fool’s Day”). Portanto, nada mais condizente com o dia do que as seguintes frases:

“Acredito em duendes e fadas, mas não acredito no amor feminino.”

Rapaz bobo, não? Ele não acreditaria no amor feminino nem se o amor cuspisse e escarrasse na cara dele – na verdade, o amor feminino queria mesmo era dar um chute no saco dele, mas ao invés disso, preferiu pedir um abraço (dado muito de malgrado, diga-se, e apenas após o amor – novamente, mas pela última vez! – correr atrás dele). Afinal, amor feminino é amor feminino. Se não fosse, teria preferido castrá-lo num momento de vulnerabilidade (homens são tão vulneráveis, é inacreditável!).

Mas é compreensível, perfeitamente compreensível que um homem não acredite no amor. Pois o ser humano tem a tendência de projetar no outro os defeitos que vê em si próprio – e, quando se é incapaz de amar, claro que o pensamento óbvio é: ninguém é capaz de amar.

“Meu coração já foi partido inúmeras vezes por esporros femininos. Dói. Nós, homens, não temos onde enfiar a cara de tanta vergonha, ficamos sem palavras, diante da fúria feminina.”

NOSSA, quanta balela!!! Se doeu, não doeu o suficiente para deixar de ser orelhudo e filho da puta. Claramente o coração desse cara jamais foi partido – pelo menos não do modo certo – e ele não tem absolutamente NENHUMA vergonha na cara. Muito menos fica sem palavras diante da fúria feminina – pelo contrário, utiliza palavras crueis, e as usa de modo mais cruel ainda.

(aos que não compreenderam nada do meu ataque ao bucéfalo acima, saibam que o conheço, sei do que estou falando. Vejam um dos comentários online mais recentes do ser em questão: “Eu queria ter dinheiro. Assim sempre eu poderia chupar e comer uma gostosa. Vida cruel.” e “acho mais vantajoso gastar meu tempo com cópulas e com libertinagens – no outro mundo, se houver, poderá não existir tanto peito e bunda à disposição, logo não posso perder tempo”. Dentre inúmeros outros, um pior do que o outro. Esse é o conceito de amor que ele tem. Desse jeito ele vai longe mesmo *rs* Depois fica magoado quando alguém aponta certeiramente o fato de que ele é interesseiro! Pode até não ser interesseiro em termos patrimoniais – se bem que ainda há dúvidas, considerando-se a sede obsessiva que tem por dinheiro -, mas certamente o é em termos materiais – quer algo mais material que sexo por si só?? Mais interesseiro e utilitarista do que ver corpos femininos como utensílios para “chupar e comer”?!? Na boa…antes gente interesseira em termos de patrimônio, que não é nada, do que em corpos, que são verdadeiramente a única coisa que nos pertence, nossa morada, e que não foi encontrada ali na esquina no lixo…).

Sou eu que acredito cada vez menos no amor masculino…já amei verdadeiramente duas pessoas que não quiseram nem saber de mim…elas estavam interessadas em outras coisas…e em outras pessoas…custava ter me dado uma chance? Ter dado tempo de me conhecer de verdade? Ou então me chutasse logo de uma vez! Mas enrolar é mais fácil, né…

Ah, e por falar em mentira…odeio mentiras, todos que me conhecem sabem disso. Mas cheguei a uma conclusão: dependendo do caso, antes mentiras do que verdades. Mentiras denotam que a pessoa sabe, admite e se envergonha de que fez/está fazendo algo errado, por isso tenta encobrir o fato; e denota também a consciência de que a pessoa a quem mente poderia ficar magoada caso soubesse da verdade, portanto a mentira seria uma forma tosca e inadequada, porém relativamente eficaz, de manter a relação e proteger os sentimentos da outra pessoa; também pelo menos tenta preservar a aura de respeito mínimo.

Já quem expõe as cagadas assim na cara dura parece se vangloriar delas (nem admite que errou!); acha que tem que ser premiado (!!) e/ou obrigatoriamente perdoado pela honestidade (independentemente do que fez…); não demonstra o mínimo de respeito, nem com a relação, nem com a outra pessoa, e nem com os sentimentos daquela pessoa, está se lixando, e ainda por cima acha que fez tudo certinho!! *rs* CLARO que o certo é agir corretamente – mas se for cagar, que ao menos tente encobrir a própria cagada em sinal de consideração e respeito ao outro, pombas!!! >: E *REZE* para não ser descoberto…

…OOOOOU simplesmente faça a coisa certa: não está satisfeito com uma pessoa a ponto de querer colocar anúncio na primeira página do Diário Oficial procurando outra?? *rs* SEJA HOMEM! Dispense a pessoa de forma cortês e DEPOIS coloque a porra do anúncio!!!!

Garotas, ouçam a música da tia Annie Lennox e aprendam…

Sweet Dreams (Are Made Of This)

Sweet dreams are made of this.
Who am I to disagree?
I traveled the world and the seven seas.
Everybody’s looking for something.
Some of them want to use you…
Some of them want to get used by you…
Some of them want to abuse you…
Some of them want to be abused…

Sweet dreams are made of this.

Who am i to disagree?
I traveled the world and the seven seas.
Everybody’s looking for something.
Some of them want to use you…
Some of them want to get used by you…
Some of them want to abuse you…
Some of them want to be abused…
I wanna use you and abuse you.
I wanna know what’s inside you.
(whispering) hold your head up, movin’ on.
Keep your head up, movin’ on.
Hold your head up, movin’ on.
Keep your head up, movin’ on.
Hold your head up, movin’ on.
Keep your head up, movin’ on.
Movin’ on!
Sweet dreams are made of this.
Who am i to disagree?
I traveled the world and the seven seas.
Everybody’s looking for something.
Some of them want to use you…
Some of them want to get used by you…
Some of them want to abuse you…
Some of them want to be abused…

O que é felicidade? What is happiness?


Gostei bastante quando o monge disse que confundimos felicidade e prazer – e quão fugidio e não-satisfatório o prazer é..

To all English-speakers who come to this post: go ahead and listen to the videos! The monk speaks english (even if his accent is french, obviously 😛 )

Bandeira 3 (desta vez, por ele próprio, em áudio e vídeo)


Extraído do documentário de Joaquim Pedro de Andrade, 1959:

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!

E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar

Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar

— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada.

Manuel Bandeira

Testamento

Manuel Bandeira

O que não tenho e desejo
É que melhor me enriquece.
Tive uns dinheiros — perdi-os…
Tive amores — esqueci-os.
Mas no maior desespero
Rezei: ganhei essa prece.

Vi terras da minha terra.
Por outras terras andei.
Mas o que ficou marcado
No meu olhar fatigado,
Foram terras que inventei.

Gosto muito de crianças:
Não tive um filho de meu.
Um filho!… Não foi de jeito…
Mas trago dentro do peito
Meu filho que não nasceu.

Criou-me, desde eu menino
Para arquiteto meu pai.
Foi-se-me um dia a saúde…
Fiz-me arquiteto? Não pude!
Sou poeta menor, perdoai!

Não faço versos de guerra.
Não faço porque não sei.
Mas num torpedo-suicida
Darei de bom grado a vida
Na luta em que não lutei!

(29 de janeiro de 1943)


Poesia extraída do livro “Antologia Poética – Manuel Bandeira”, Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 2001, pág. 126.

O último poema

Manuel Bandeira

Assim eu quereria meu último poema
Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.

Com esses versos homenageamos o poeta Manuel Bandeira que faleceu em 13/10/1968.

Poema extraído do livro “ Manuel Bandeira — 50 poemas escolhidos pelo autor”, Ed. Cosac Naify – São Paulo, 2006, pág. 35.