Men can stop rape.Los hombres pueden prevenir la violación. Contre le viol.


If you’re an English speaker, visit http://www.mystrength.org

Si hablas español, visite http://www.mifuerza.org

Si vous êtes francophone, vous pouvez aller ici et signer la pétition: http://www.contreleviol.fr/

O que buscar em um parceiro?


http://br.mulher.yahoo.com/blogs/amoreoutrascoisas/o-que-buscar-em-um-parceiro-172834021.html

Uma empresa inglesa, desenvolveu uma pesquisa sobre o tema e os resultados, você confere a seguir. 86% das mulheres querem um homem sensível e 64% afirmam que querem que este diga “eu te amo” somente quando, realmente, estiver certo disso.

Moreno, 1.80 de altura, bom rendimento anual. Mestrado ou doutorado, que seja divertido e que saiba conversar. Ele deve ser romântico, dependente e saber cozinhar.

Nessa e em outras pesquisas, fica claro que, para os homens, a preocupação é outra. Eles preferem mulheres com curvas bem desenhadas e morenas. 75% deles acreditam que um sorriso transforma uma mulher em uma fêmea sedutora e que uma boa cozinheira sai à frente, quando comparadas a outras mulheres que detestam o fogão.  A pesquisa revela um ponto, ainda, discutível, o homem se preocupa mais com o histórico sexual da parceira que o inverso.

Bem, depois disso tudo, fica o convite à reflexão. E para você? Qual o homem ou mulher ideal?

Você sabia que é melhor ter isso claro na mente, antes de sair para o mercado? Até por que quando não sabemos o que queremos, qualquer coisa serve.

E, então, podemos muito bem levar coelho por lebre e vice-versa.

Qual o seu tipo ideal? O que você aceita e não aceita?

Como encara uma relação saudável de amor e uma relação não saudável? Em qual quer entrar?

Pense nisso, pense muito e depois escolha. Escolha o que quer incluir na sua vida, na sua rotina, nos seus relacionamentos.

Parece simples?

Pois é, não é simples. Por vezes, acabamos cedendo e entrando em relacionamentos que em nada se parecem com o que um dia sonhamos.

Então, se estiver, nesse momento, no meio tempo, pare, anote o que quer e o que não quer. O que suporta e não suporta em uma relação.

Se não conseguir fazer isso sozinho (a), chame um amigo, façam em conjunto. Anotem tudo o que conta e o que não importa. Desenhem esse parceiro (a) ideal e, depois disso, se abram para o universo.

Mais do que saber, é preciso querer.

Isso também é importante que você compreenda. Em alguns casos, temos um discurso diferente da atitude. Sabemos o que queremos da boca prá fora. Na hora mesmo de escolher, escolhemos o  que estamos habituados. Se for sofrimento, dor, agressão — relações não saudáveis, mais sofrimento, dor e agressão.

Para quebrar o círculo, só mesmo ficando muito atento e presente. Só mesmo tendo muito claro o que queremos. Daí, então, é só dizer SIM ou NÃO de acordo com o que se apresenta.

E, nesse hora, não vale a pressa, não vale a urgência. Faça com calma. Faça com tempo. Não escolha um companheiro como quem troca de roupa. Afinal, viver uma relação sempre nos deixa marcas. Que sejam, então, positivas. Que sejam, então, para o nosso bem.

Compartilhe aqui nesse espaço suas preferências. E, mais que isso, aprenda a ficar com elas. Aprenda a ouvir seu coração e a escolher o verdadeiro, sem ilusão, sem medo, sem dor.

Boa semana. Boa escolha.

Sandra Maia é autora dos livros Eu Faço Tudo por Você — Histórias e Relacionamentos Codependentes, Você Está Disponível? Um Caminho para o Amor Pleno e Coisas do Amor.

Dúvidas sobre relacionamentos? Envie para s2maia@yahoo.com.br que elas poderão ser comentadas aqui no blog.

Mais informações sobre a autora no www.sandramaia.com ou no blog www.coisasdoamor.com.br

Como Lidar com um Homem


1ª Lição – Homem tem prazo de validade.
É bem simples entender como funciona a validade de um homem, pois é quase como a validade de um alimento perecível ou coisa do tipo. Segue a mesma lógica de verde, maduro e podre. Mas, assim como as frutas, alguns você já conhece podre, daí não namora. Mas estamos falando de namorados, se você for inteligente pega os que têm possibilidade de chegar a fase madura, né?

Fase Verde  – quando você o conhece. Manda flores, faz joguinhos de conquista e finge a todo custo que não faz e que é tudo natural (claro, eles não iriam confessar que fazem joguinhos por que isso “é coisa de mulher”). Os beijos e o entrosamento ainda não são 100%, já que ainda estão se conhecendo, mas mesmo assim tem seu encanto e magia de “começo”. Tudo vai melhorando até chegar a próxima fase…

Fase Madura – já se conhecem, o encantamento do começo dá lugar ao entrosamento e confiança mais fortes. Fase perigosa e que varia muito de casal pra casal: alguns permanecem por muito tempo nesta fase e outros passam por ela sem nem perceber e caem logo na terceira fase. Pros que curtem, esta fase é marcada pela convivência pacífica e prazerosa. Pros que não curtem, ela é vista como “a rotina”, ou seja, aquela coisa sem graça, cara de feijão com arroz de todo o dia.

Fase Podre – o nome é “expositório” (do verbo “expor”) da situação. É a fase de FIM (se você não for masoquista é, tem gente que passa o resto da vida nela). Em que as coisas estão más. O mais importante dessa fase é entender que: tem pedra que por mais que a gente jogue litros de água, não fura. Não insista, não chore pelo leite que foi (ou não) derramado, é sempre pior.
Em suma: esqueça a pessoa e siga em frente. Esta é a grande 1ª Lição. Lembre-se da última fase desde o início, e lembre-se também que ela não desvalida as outras fases, é apenas um ciclo natural da vida dessa criatura que estamos desmistificando com estas lições.

2ª Lição – Eles não nos entendem, portanto, o importante é que nos obedeçam.
Então pára de tentar explicar o que você quer, por que você quer, as finalidades, os argumentos, as justificativas, mostrar que você tem razão… NÃO ADIANTA. É como tentar ensinar macacos a andar de salto alto, esqueça querida! Eles vão fingir que entenderam e em menos de duas horas se o problema suscitar novamente você vai ter que explicar tudo de novo gastando sua saliva e beleza… NÃO VALE A PENA! Faça-se ser obedecida, isso basta. Pra eles inclusive é o que basta. Eles sempre fingem que entendem o mais rápido possível só pra gente parar de falar e “ficar tudo bem”. É uma questão que atende aos dois lados. Você finge que acredita que eles entenderam, eles fingem que entenderam, te obedecem e fica tudo bem. A propósito, o princípio de convivência entre homens e mulheres é sempre este.

3ª Lição – Há sempre uma forma de conseguir o que queremos.
Nem sempre vale a pena chegar lá, mas é fato que sempre existe uma forma de transformar um NÃO em um SIM. Nem sempre vale a pena porque o que temos que fazer por isso não compensa, vira uma vantagem pra ele. Por isso tem coisa que é melhor relevarmos e tentarmos depois, ou seja, você pode guardar certos pedidos para momentos de chantagem emocional, aqueles em que ele vai sentir o dever moral (lê-se: pressão sentimental) de fazer qualquer coisa que você peça.

4ª Lição – não namore caras com amigos muito bonitos.
Precisa mesmo explicar os motivos disso? Na dúvida vou ressaltar um ponto mais importante que leva a essa conclusão: não são todos os amigos que aceitam (ou sequer pensam no assunto) namorar com ex-namoradas de seus amigos. Então, mesmo depois de você não ter nada com o cara você perdeu a chance de ter algo com aquele amigo lindo, maravilhoso, gostoso do seu, agora, ex. E por outro lado deve-se pensar se você própria gostaria de namorar um amigo do seu ex. Por exemplo, se eles forem muito de estar junto você vai ter que agüentar seu ex… Como se já não bastasse ter que agüentar sogra, sogro, eventuais cachorros, papagaios, irmãos… Complicado, né? Melhor evitar. (Salvo que valha MUITO, leia de novo, MUITÍSSIMO MUITO a pena.)

5ª Lição – você não é a Madre Teresa de Caucutá.
Começando que (por mais feia que você seja) você é mais bonita e mais nova que ela. Você não é obrigada a aceitar tudo, perdoar tudo e fazer tudo que ele quer, muito pelo contrário. Se alguém nessa relação tem o dever de te agradar, esse alguém é ele. Pelo simples fato de ter tido a “infelicidade” de nascer homem. Esqueça as lutas de igualdade entre o sexo, quando convém nós somos o “sexo frágil” sim. Mais uma coisa muito importante: não deixe que ele se comporte como a mulher da relação! Ou seja, aqueles que tentam conseguir tudo que querem, por mais absurdo e infantil que seja, através de chantagens emocionais. É uma coisa que as mães deles deviam ter ensinado ainda na infância, mas tudo bem, nós resolvemos o problema.

http://www.trocistas.com/flavia/como-lidar-com-um-homem-versao-namorado/

‘Ser fiel é tão arriscado quanto trair’, diz psicanalista


Não sei se concordo…*rs*

Autor de livros de sucesso, o psicanalista britânico Adam Phillips atrai leitores fugindo do jargão e tratando de temas como o flerte ou a gentileza, que não costumam receber atenção acadêmica. Suas obras, que combinam psicanálise, filosofia e literatura, são populares, mas ele mesmo, não. Nem e-mail tem. “Restringi ao máximo minhas formas de comunicação.”

Phillips trabalha agora em “Missing Out”, um livro sobre coisas que deixamos de lado na vida, a ser lançado no segundo semestre de 2012.

Nesta entrevista feita em seu consultório, em Londres, o autor de “Monogamia” fala sobre riscos da crença no “felizes para sempre”.

*

Folha – Em “Monogamia”, o senhor diz que não há nada mais escandaloso do que um casamento feliz. Por quê?

Adam Phillips – O que amamos e odiamos num casamento feliz é ver nossos primeiros desejos e medos acontecendo na vida real. Toda criança começa seu desenvolvimento em uma relação monogâmica, com a mãe. E a maioria passa os primeiros 11, 15 anos da vida muito conectada a mãe e ao pai. É uma espécie de monogamia bissexual. Crescer é passar da necessidade de ter só uma pessoa para a necessidade de ter duas (mãe e pai) e a necessidade e a capacidade de se relacionar com várias.

Daí nossa tendência para a relação monogâmica?

A relação monogâmica é uma memória muito poderosa, é onde começamos. Hoje, muita gente acha difícil manter uma relação monogâmica. Queremos coisas opostas, desejamos coisas proibidas e não sabemos que queremos essas coisas. A cultura torna os desejos muito problemáticos. Muitas pessoas desejam um relacionamento monogâmico, apesar de não serem capazes de lidar com ele.

Quais são as maiores dificuldades da monogamia?

Os problemas surgem quando as pessoas desejam esse tipo de relacionamento, mas não conseguem realizá-lo. E para quem pensa que é isso o que deseja, mas descobre que não era o que queria.

A solução, no caso dessas pessoas, é a infidelidade?

Sim. E pode dar certo, mas sempre com conflito. Todo mundo tem ciúme sexual, ninguém suporta dividir seu parceiro de sexo. Alguns dizem que suportam, mas é impossível. Se amamos e desejamos alguém, não queremos dividi-lo com outros.

Isso tem a ver com a memória da relação entre mãe e bebê?

Sim. E também com o fato de termos necessidades e só determinadas pessoas poderem satisfazê-las.

Concorda com a tese de que mulheres são por natureza propensas à monogamia?

Acredito na teoria da evolução de Darwin, mas penso que evolução envolve cultura. Há boas explicações em termos de sobrevivência da espécie para sustentar que a mulher quer um homem para a vida toda e o homem deseja mais parceiras, mas não acho que a questão da sobrevivência seja a explicação final. Se fosse, a família nuclear seria a única coisa óbvia a se fazer.

Há diferentes formas de garantir a reprodução da espécie, há muitos jeitos de criarmos as crianças. E muitas formas de fazer sexo, não explicadas por essas teorias.

O senhor diz que uma sociedade sem a possibilidade de infidelidade seria perigosa...

Seria uma mentira. Colocaria pressão demais nos casais, obrigando um a ser tudo para o outro. É uma demanda moral irrealista. Outro perigo é a monogamia acabar com o desejo e virar uma prisão.

Acha a sociedade hipócrita em relação à monogamia?

Sim, se ela afirmar que é a única forma boa de relação para todos e o tempo todo.
Mas hoje também há muita gente dizendo que toda relação monogâmica é hipócrita, o que não é verdade. Para alguns, é um desejo genuíno, uma experiência real.

Tão real quanto traição?

As duas formas são construções sociais. O capitalismo trivializou a paixão, fez com que as pessoas se desiludissem em relação ao amor. Isso leva a pensar que as relações sexuais são algo que se compra no mercado só para levar a vida adiante. O capitalismo tenta dissuadir a criação de vínculos reais. E valoriza demais o prazer. E, para a psicanálise, o prazer é sempre um problema. Qualquer pessoa que te venda um prazer fácil está mentindo. Se o que queremos é prazer profundo, com troca entre pessoas, ele será difícil, cheio de conflitos.

Como lidar com os conflitos?

As crianças deveriam ter aulas na escola sobre frustração, para entender como ela é valiosa. Para adultos, a psicanálise ajuda, é educativa. Os adultos precisam aprender a ser adultos. A maioria age como adolescente, não quer crescer, acredita em fórmulas mágicas de relacionamento.

A fórmula ‘feliz para sempre’?

Claro, é um ideal enganoso. Assim como achar que a pessoa que não se prende a ninguém é livre. São dois ideais igualmente enganadores.

A monogamia não é também uma forma de evitar riscos?

Pode ser. Correr riscos é muito importante, mas não devemos pressupor que todos os riscos estão na infidelidade. Fidelidade é tão arriscada quanto traição, há muitos riscos na monogamia.

Quais são eles?

Numa relação monogâmica, cada parceiro sabe e não sabe muitas coisas íntimas sobre o outro. Outro risco é descobrir as limitações do relacionamento humano, o quanto a outra pessoa pode de fato fazer por você. E há o risco de formar uma família.

Por que não considerar esses riscos tão atraentes quanto os riscos da traição?

Não fomos capazes de produzir relatos excitantes sobre a monogamia. Os bons romances são sobre adultério. Por isso, é difícil articular de forma interessante os prazeres da monogamia. Fica parecendo algo tedioso. Além disso, fomos educados para acreditar que a vitalidade está na heresia. Mas pode haver vitalidade nos dois tipos de relacionamento. O ocidental moderno e culto assume que a vitalidade esta só na heresia. Também está, mas essa não é toda a verdade.

Do que precisamos, afinal?

De boas histórias que nos ajudem a viver. As únicas verdades úteis são as que nos ajudam a viver. Num relacionamento, o que você precisa é criar uma história na qual se sinta vivo com a outra pessoa.

Hoje, temos mais opções para criar essa história?

Não sei. A cultura liberal oferece mais escolhas do que havia antes. Mas o capitalismo cria a ilusão de que temos muitas escolhas, quando na verdade temos muito poucas.

A única escolha é ser feliz ou não. É isso que está sendo vendido como o único programa: quanto prazer você pode ter, quão feliz pode ser. Só que felicidade pode ser como uma droga, nunca satisfaz, você quer sempre mais. Há coisas muito mais importantes que a felicidade: justiça, generosidade, gentileza.

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/1013893-ser-fiel-e-tao-arriscado-quanto-trair-diz-psicanalista.shtml

Homens e mulheres: esse mistério


Começo este post com uma pequena anedota que acho engraçada do ponto de vista masculino, mas que não deixa de ter um fundo de verdade.
Estava um homem à pesca quando, ao puxar as redes, viu que vinha emaranhada nelas uma lâmpada de óleo. Pegou-lhe e surgiu um génio que lhe disse:
– Por me encontrares concedo-te um desejo. Um único desejo por isso pensa bem. – o pescador trabalhava duro e por vezes o peixe nem dava para ganhar para o sustento de uma família como a dele, ficou pensativo. Lembrando-se da mulher que constantemente lhe dizia que viviam mal disse para o génio.
-Quero que o mar desde aqui até minha casa se encha de peixe todos os dias em que eu vier pescar. – o génio olhou para ele com os olhos a faiscar e disse:
– Olha, tens que pensar noutra coisa pois isso é muito complicado até para mim que sou génio. – mais uma vez o pescador ficou a pensar e lembrou-se das constantes discussões com a mulher pois pensavam de maneira diferente e o que ele achava certo ele achava errado e vice-versa. Posto isto disse:
– Pois bem génio o que eu quero é compreender as mulheres! Quero saber como pensam, o que as motiva, o que acham das coisas, como vêm a vida…
O génio olhou para o pescador durante longo tempo quase uma eternidade e aí falou.
– Ó pescador com que tipos de peixe é que queres que eu encha este mar todos os dias em que vieres pescar?

Existem coisas que nos surpreendem no relacionamento entre homens e mulheres ou vice-versa. Seremos assim tão diferentes? Li em tempos um artigo, suposto estudo científico, que afirmava que a diferença consistia na forma como os dois sexos pensam. Afirmava o artigo que os homens são muito mais práticos em certos aspectos e também menos exigentes. Ainda citando o artigo, as mulheres amadurecem mais depressa, são mais aguerridas na busca dos seus objectivos e mais responsáveis. Em conclusão pode dizer-se que a sociedade evolui para um matriarcado.
Pensando em tudo isto cheguei à conclusão que a nossa sociedade sempre foi um matriarcado. Diz a história que “Por trás de um grande homem está uma grande mulher”. Lá pelo facto de ela estar por trás não quer dizer que lhe fique atrás ou que não seja ela a mandar e ele a aparecer. Vejamos a minha experiência pessoal.

Durante a minha juventude e até mais tarde fui um D. Juan, imaturidade talvez ou uma busca pela pessoa certa. O que pude constatar é que as mulheres se apaixonavam por mim, achavam-me o máximo e algumas semanas de relacionamento eram o suficiente para me começarem a querer mudar. Começava pela roupa “Acho que devias comprar isto ou aquilo ficava mais a condizer contigo” ou “Essas botas em bico já não se usam” ou ainda “ficavas melhor de cabelo curto”. Estas apenas algumas coisas pois o rosário continuava. Tendo em conta que sou músico e era nessa qualidade que elas me conheciam, lógico era que eu vivesse rodeado de músicos e guitarras: “Os teus amigos só falam de música, passas o tempo agarrado às guitarras, quero sair e vais para os ensaios, mais um fim-de-semana em que vais tocar e não podemos ir para lado nenhum. Não vou contigo pois estou farta das músicas, estou farta da banda e ir para ficar numa mesa a ver-te tocar e aquelas fulanas todas a atirarem-se a ti…”. Um dia vinha a inevitável frase: “…ou eu ou as guitarras…” mais uma vez ficava sozinho, mas não por muito tempo e a história repetia-se. Afinal o erro era meu ou delas? Nunca percebi. Provavelmente eu era uma atracção mas o que elas procuravam era um chefe de família presente e não um saltimbanco. AS MULHERES QUEREM HOMENS COM SITUAÇÕES ESTÁVEIS.

Um dia estava com os elementos da minha banda e respectivas mulheres e namoradas e a conversa recaiu sobre o facto de eu ter muitas namoradas em curto espaço de tempo. Eu não me achava (nem acho) bonito, nem do tipo musculado, está certo que me acham parecido com o Richard Gere (Eu não acho), mas fora isso, eu de facto nunca procurei uma explicação para o meu sucesso junto do sexo oposto. Uma das namoradas, a do meu vocalista disse: as mulheres gostam de ti porque tu és meiguinho! (o namorado mandou-a logo para casa…rssss). AS MULHERES GOSTAM DE HOMENS MEIGOS.
Numa outra conversa falou-se na minha fama de conquistador e que isso funcionava como uma atracção. Uma espécie de eu ser a lâmpada e elas as borboletas Elas sabiam que podiam queimar as asas mas não deixavam de ir até lá. AS MULHERES GOSTAM DO RISCO.

Uma pessoa que fez parte da minha vida afirmava para quem a queria ouvir que eu era um sedutor nato e que isso atrai as mulheres. AS MULHERES GOSTAM DE SER SEDUZIDAS.
Nos meus tempos de juventude sempre acompanhei com mulheres. O principal motivo é que desde que me lembro de existir sempre tive um fraquinho pelas meninas, achava bem mais interessantes as brincadeiras delas do que as dos rapazes. Os garotos jogavam à bola, índios e cowboys, brincavam com carros ou lutavam uns com os outros. As meninas inventavam histórias com pessoas e profissões da vida real que eram bem mais interessantes e estimulantes. Durante o liceu continuei a acompanhar com raparigas, falávamos de coisas interessantes e tomei contacto com alguns dos problemas das mulheres que passaram a ser compreendidos por mim e passei a tratá-los com naturalidade. Os rapazes só não brincavam aos índios, o resto mantinha-se igual. Eu desde muito cedo comecei a ler, desenhar e escrever, foi com as raparigas que consegui partilhar tudo isto e arranjar namoradas (claro). Cheguei a desenhar roupas e botas que anos mais tarde vi aparecer na moda, eu já as desenhara seis ou sete anos antes, isto de acordo com desenhos que foram guardados por algumas amigas minhas e que me alertaram para o facto. Eu fiz e escrevi tanta coisa nesse tempo que me esqueci da maior parte do que fiz. AS MULHERES SEMPRE SE PREOCUPARAM MAIS EM EVOLUIR DO QUE OS HOMENS.

No que respeita às mulheres da minha vida e a todas, em geral, sempre as respeitei e fui honesto com elas, jamais me aproveitei de alguma. Considero que todas elas fizeram de mim um homem e um ser humano melhor, estou-lhes grato por isso.
Anos mais tarde constatei que os homens continuavam muito parecidos com o tempo que eram rapazes: as lutas agora eram pelo status, os carros, o futebol e sexo, esta a última variante. As mulheres procuravam uma estrutura social definida, um homem para partilhar a vida e construir uma família, sacrificavam-se por isso.
No final tive que aprender a falar de futebol, contar anedotas parvas e aceitar brincadeiras estúpidas para me relacionar com os meus colegas de trabalho, até porque sou uma pessoa social. Claro que para tudo isto existem excepções, mas da minha experiência, complicadas ou não, com todos os defeitos e qualidades afirmo:
GRAÇAS A DEUS TEMOS AS MULHERES OU A HUMANIDADE JÁ ESTARIA EXTINTA!!!

http://asaudavelloucura.blogspot.com/2007/04/homens-e-mulheres-esse-mistrio.html 

Peripécias de um motel


4 homens e um hortifruti

Logo que cheguei para mais um dia de motel, encostou na janela um homem a pé (um homem muito bonito, diga-se de passagem!). Meio sem graça ele perguntou se eu alugava suíte para 4 pessoas. Afirmei e ele pediu para que eu reservasse o apartamento, que em no máximo 20 minutos ele voltaria. Reservei pra ele a maior suíte, com hidromassagem externa e tudo. Um quarto bem bonito. Passado o tempo, encostou uma Hilux preta, vidros insulfilmados e com um motor ensurdecedor. Assim que me aproximei, o motorista abaixou o vidro. Reconheci que era o rapaz da reserva, entreguei a chave informei onde era o apartamento abri o portão e ele adentrou ao motel.

Enquanto o portão estava abrindo, o vidro de trás foi se abrindo também. Fiquei bege e super triste. Rsrs No banco de trás, estavam 2 homens, lindos. Rosto, corpo e cabelo em perfeita sincronia… O que estava no banco da frente eu não vi, mas devia ser bonito também.

É complicado, o genro que mamãe pediu á Deus estava no motel dando o marquês de rabicó. #trágico

Enfim, eles me cumprimentaram e eu quase gritando : “ WHY GOD, WHY?” cumprimentei também. A suíte deles era bem perto da recepção, então dava pra ouvir muita coisa. Eles chegaram, ligaram o som bem alto no maior putz-putz e lá ficaram por um bom tempo.

Eu estava bem distraída na recepção, quando escuto um “Oi moça” . Quase caí pra trás de susto! Assim que me viro, era um dos rapazes da suíte da ‘festinha’. Muito educado ele me pediu dois baldes de gelo e pediu mais uma garrafa de Black Label. Anotei o pedido, passei para a cozinha e o rapaz continuou na recepção. Meio querendo ‘estudar o terreno’ ele me perguntou se vendíamos saladas, informei que sim e que tudo estava no cardápio, dentro da suíte. Ele agradeceu e voltou ao apartamento. Logo ele me interfonou, disse que queria uma salada completa e me perguntou se podia pedi-la de uma maneira diferente. Perguntei de qual maneira seria. Meio sem graça, ele me disse que queria todos os legumes inteiros. Hã? Mas como assim gente? Legumes inteiros? Como eles iriam comer? Hahahahahaha

Mandei o pedido para a cozinha. As meninas estranharam o pedido, mas como o cliente tem sempre razão… Fazer o que!

A bandeja de salada ficou a coisa mais linda! Duas cenouras inteiras, um pepino, um tomate, uma cebola, alguns palmitos, frios e azeitonas. E enfeitando tudo isso, algumas folhas de alface. Hahahaha

Passado mais um tempo, encostou uma moto dizendo que tinha uma encomenda para o apartamento dos rapazes. Perguntei de onde era a encomenda e ele me disse que era do Varejão. Hahahahaha

Como assim varejão gente? Como assim? COMO ASSIM? Interfonei na suíte para confirmar se eles haviam pedido alguma encomenda, o rapaz que me atendeu confirmou o pedido e disse que já estava saindo para pegar e pagar. Informei ao motoqueiro onde ficava a suíte e logo o rapaz saiu, pegou a sacola e pagou o rapaz.

Eu que sou curiosa pra caramba, TIVE que perguntar o que tinha na sacola. O rapaz que também não estava entendendo nada me disse que na sacola tinha uma abobrinha, um pepino, uma mandioca, uma cenoura e um cacho de banana.

Enquanto o motoqueiro se sentiu constrangido com a situação, eu gargalhava. Afinal, eu sabia o que os rapazes queriam com os legumes, já ele parecia não conseguir acreditar no fato. Desconcertado, o entregador foi embora e eu continuei a dar risada junto com as outras funcionárias.

Antes de vencer a diária deles, eles deixaram o apartamento. Todos muitos alegrinhos devido ao Whisky e as cervejas que tomaram, enquanto acertávamos a conta conversamos sobre algumas amenidades e logo a suíte foi liberada. Abri o portão, e aquele carro cheio de homens ‘magia’ foi embora.

Assim que o carro partiu, a camareira me passa o rádio “Aline, você precisa ver isso!”.Já gelei né? Será que haviam quebrado alguma coisa ou levado alguma coisa embora? Entrei na suíte, lá do fundo a camareira me chamou. Fui até onde fica a hidromassagem e vi uma cena completamente bizarra. Todos os legumes pedidos (tanto os pedidos no Motel, quanto no varejão) estavam na beira da Hidro, envolvidos com preservativos (inclusive a cebola e o tomate), e todos aparentemente ‘usados’, o que mais me ‘assustou’ foi que além deles abusarem dos pobres legumes, abusaram também de uma garrafinha d’água! Agora pensem comigo.

Para que usar um hortifruti gente? Já tinham 4 pintos no quarto! Tem louco pra tudo!! Rsrsrs

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Festinha nada privê!

Antes de mais nada, recadinho básico! Depois de tanto tempo escrevendo aqui no Insoonia, tem gente que AINDA acha que os relatos são inventados. Só digo uma coisa: depois do sanduiche de buceta, vocês duvidam de mais alguma coisa? #ficaadica

Recado dado, vamos lá?

No Motel não temos suítes destinadas a prática de swing (para os leigos, suruba), mas temos uma suíte bem grande que de vez em quando a gente aluga para algumas pessoas que querem se divertir.

Certo dia, ligou uma mulher querendo uma suíte para reunir algumas amigas para fazer seu chá de lingerie e despedida de solteira. Tranquilo. Está bem na ‘moda’ as mulheres recorrerem á motéis para esse tipo de comemoração.

Conversando com ela, expliquei que alugaríamos a suíte, mas com a condição de um número limitado de convidados e seria proibida a bagunça excessiva, afinal os apartamentos são muitos próximo um dos outros.

Como eu trabalho com decoração de suítes, combinei com a moça que eu iria arrumar o quarto para ela. No dia e hora combinado, cheguei com todos os itens da festa para começar a montar tudo. Enchi a hidromassagem de gelo e nela coloquei algumas garrafas de espumante, cerveja, Smirnoff  Ice entre outras bebidas. Coloquei no balcão alguns petiscos que ela havia encomendado, e na mesa várias taças de champagne para que suas convidadas se servissem. E por todo o quarto, espalhei cálices com chantilly acompanhados de morango.  O quarto conta com um globo de iluminação e um poste de Pole Dance. Ficou muito legal. A suíte ficou com um ar erótico e sofisticado ao mesmo tempo.

Pouco antes da festa, a moça chegou para ver como tudo estava ficando. E junto com ela, ela me trouxe uma mochila que era para ser deixada escondida dentro do banheiro.

Hummmm

Pensei comigo: “Aí tem!!!”

Logo depois que a moçoila foi embora, o diabinho que vive no meu lado direito me mandou ver o que tinha dentro da mochila. Já o anjinho do lado esquerdo mandou eu não ver, afinal não se meche nas coisas dos outros. E eu claro, fui correndo ver o que tinha dentro da mochila. (eu não presto, eu sei!)

Dentro tinha um espartilho preto, uma sandália salto 15 agulha, uma máscara, um par de algemas, vários vibradores, lubrificantes e preservativos.

Uai! Como assim?

Pelo que eu saiba, chá de lingerie não precisa disso tudo… Algo muito estranho ia acontecer. Estava na cara!

Um pouco antes do horário combinado, a dona da festa chegou. Notei que ela estava com uma roupa muito simples para quem vai comemorar junto com as amigas, mas cada um com seu estilo né? Passado um tempo que ela entrou no quarto, ela me chamou para dar ‘ajudazinha’ pra ela.

Xiii, fiquei meio cabreira. Nem a pau eu entro em quarto com cliente dentro. Vai saber o que se passa na cabeça desse povo.

Mas como ela estava sozinha e como eu tinha decorado a suíte pra ela, eu fui.

Entrando na suíte, a moça tinha trocado de roupa. Ela estava vestida com os itens que citei na bolsa. Espartilho, a sandália, estava com as algemas no pulso e tudo mais. Por cima ela estava com um sobretudo preto meio transparente. Quando a vi daquele jeito, tive a certeza que a festinha dela não ia envolver somente uma comemoração.

Acho que ela entendeu errado o conceito de chá de lingerie. O chá é pra ela ganhar a lingerie, e não para ela estar vestida só de calcinha e espartilho! Rsrs

Depois de explicar pra ela alguns detalhes das bebidas e da decoração saí do quarto e fiquei pensando nas convidadas. Como será que elas iriam estar vestidas?

Quando deu o horário marcado, as convidadas começaram a chegar. Como dentro do Motel não tem lugar para estacionar todos os carros, todas elas tiveram que deixar o carro na rua e entrar no Motel a pé. Uma a uma as convidadas foram chegando. E todas tinham em comum uma mochila ou uma bolsa grande.

Juntando A + B cheguei a conclusão de que todas elas iam trocar de roupa e ficar semi-nuas dentro da suíte. O que esse bando de mulher louca vai arrumar??

Estava completamente encafifada! A menina fecha a suíte para uma “comemoração simples com as amigas” (nas palavras dela!) e na hora a festa estava se tornando uma zona.

Música tocando, as meninas se divertindo soltando gritinhos empolgados, dando risadas escandalosas e ouvindo muita música.

Aparentemente todas as convidadas haviam chegado. Mas a moça tinha fechado a suíte para 20 pessoas, e lá se encontravam apenas 10. Reparei nesse detalhe mas nem me apeguei muito.

Passado um tempo encostou uma van com vidro pretinho, pretinho de tanto insulfime. O motorista (diga-se se passagem lindo de morrer) disse que havia uma encomenda para o quarto da festinha. Deixei entrar, imaginei que seria alguma bebida ou algum tipo de comida…sei lá.

Liguei no quarto pra falar que a encomenda tinha chegado.

Mais que depressa, estavam todas as convidadas (vestidas de calcinha, sutiã, espartilho, roupão cada uma de seu jeito) na garagem.

O motorista desceu da van, e disse pra moça:

“Aqui está sua encomenda…”

Do nada, começa a sair um monte de homem da van! Nisso cada homem que saia da van, pegava uma mulher e entrava pro quarto. Pelas minhas contas tinha uns 10 homens. Um para cada mulher. O melhor é que os homens estavam todos uniformizados, tipo Gogo Boys! (Depois fiquei curiosa pra saber onde ela conseguiu esse bando de homens. E pelo jeito eles estavam acostumados a fazer esse tipo de festa..enfim, FOCO na história!

Foi aí que a festa de VERDADE começou.

Muita música, muitos gritos de “uhuuuuu” e “tira, tira, tira”…

Depois de um tempo parece que a festa tinha dado uma acalmada. Só escutava algumas risadinhas daqui, outras dali.

Tocou o telefone, e era do apartamento. A moça disse que não estava conseguindo ligar a hidromassagem. E pediu para que alguém fosse na suíte ver.

Como que ela queria ligar a hidro, sendo que eu tinha a enchido horas antes com gelo? Não tinha dado tempo de derreter tudo…  Pedi para alguma camareira ir até a suíte ver mas nenhuma quis, ficaram com medo da quantidade de gente. Mandei todas elas pra puta que pariu e fui ver o que estava acontecendo. Quando chego na garagem da suíte, tinha um dos Gogo’s com uma das convidadas em “semi – ato sexual”. Eles me viram entrando, mas não ligaram não! Continuaram o que estavam fazendo, com certeza devia estar mais interessante. Rsrs

A porta da suíte estava meio aberta, eu meio desconfiada entrei. A suíte tem um corredorzinho antes de chegar no lugar onde fica a cama, e nesse corredor tinha uns 2 casais se pegando. Passei reto. Nesse momento acho que estava invisível afinal, ninguém ligou pra minha presença! De cabeça baixa segui até a hidromassagem. Assim que abro a porta para a parte externa onde fica a hidro, dou de cara com umas 10 pessoas peladas, nuas, sem roupa assim como vieram ao mundo.

“O que fazer? O que fazer? O que fazer? O que fazer? O que fazer?”

Fiquei sem reação.

Não sabia se saia correndo, não sabia de fechava os olhos, não sabia se mandava todos colocarem a roupa ou se tirava a minha também e entrava na festinha.

Resolvi fingir que tudo aquilo era normal.

Perguntei pra peladona o que estava acontecendo, e ela me disse que a hidromassagem não ligava. Fucei daqui, fucei dali ( e os peladões me olhando ) enquanto fuçava dei uma observada em alguns… (olha que não era de se desperdiçar heim? Dava pra perder meia hora tranquilamente). E vi também que eles haviam jogado todo o gelo da hidromassagem no chão. Aquilo tudo era muito surreal mesmo sendo acostumada com fatos bizarros.

Saí da suíte, voltei para a recepção e fiquei processando tudo aquilo.

A mulher contrata a suíte para um chá de lingerie. Do nada chega uma van cheia de homens, com a proporção de um para cada convidada. Entro na suíte e vejo um monte de gente se pegando e mais um monte de gente pelada. Depois de muito pensar, só consegui chegar a uma conclusão: o mundo está perdido!

Um tempo depois, começou a chuva de gemidos de dentro do apartamento. Era um tal de “me come” pra cá, “me chupa” pra lá, “vem você agora” acolá. Sinceramente?

Já tinha até me conformado com a situação rsrs.

Logo em seguida, chegou a van dos rapazes. E era necessário avisa – los, afinal de dentro da suíte eles não iriam escutar a van.

Tentei ligar e nada. O ramal da suíte estava fora de operação, alguém deve ter deixado o telefone fora do gancho, ou até mesmo derrubado no chão na hora da empolgação.

Lá vou eu de novo na suíte.

Meu medo era eles acharem que eu estava querendo fazer parte daquilo lá. Rsrs

E fui.

Dessa vez não tinha ninguém na garagem. Vi que a porta estava aberta, mas não entrei. Bati, bati, bati e nada de me ouvirem. Eu só ouvia barulhos e ruídos vindos de dentro.

Eu como sou uma pessoa muito calma, entrei com tudo dentro da suíte com uma raiva danada daquele povo fanfarrão!

Assim que passei o corredorzinho, dei de cara com um grupo de pessoas em cima da cama. Não sei quantas eram, por que estavam todas meio ‘grudadas’ sabe? Não dava pra identificar onde terminava uma e começava a outra pessoa. Acho que tinha até um nó cego lá no meio. Rsrs

Muito educada, praticamente gritando eu soltei : “Olha aqui, a van chegou pra buscar vocês.”  Novamente me senti mais invisível que o Gasparzinho. Mas o recado já estava dado. O problema era deles.

Mas por incrível que pareça, eles me escutaram e um a um eles foram saindo da suíte. Logo estavam todos na van e foram embora.

Pouco tempo depois as convidadas da moça começaram a sair também. Todas que iam embora, a dona da ‘festa’ ia se despedir na garagem da suíte. E como nesse momento o toldo estava aberto, dava pra ouvir o agradecimento das convidadas para a moça: “Muito obrigada, estava tudo muito bom.” , “Nossa, eu adorei.” entre outros.

A pé e com a satisfação estampada na cara elas foram embora.

Já vestida com trajes normais, a dona da festa veio agradecer o atendimento e blá, blá, blá. Enquanto ela falava,  eu só pensava: “Eu sei o que você estava fazendo dentro daquele quarto safadenha!!”

Enquanto ela conversava, percebo que chega um rapaz a pé. Assim que ela vê o rapaz, ela diz: “É meu noivo moça, eu vou ali pegar minhas coisas e fala pra ele que já estou saindo.”  Passei o recado para o rapaz, e ele ficou aguardando.

Pouco tempo depois ela chegou e o cumprimentou. Ele perguntou como havia sido o chá de lingerie , e ela com toda cara de pau que Deus lhe deu respondeu: “Ah, foi LEGALZINHO. A gente conversou bastante, deu risada. Só isso.”

Só isso? Só isso? Se aquilo foi legalzinho pra ela, imagina o que deve ser se divertir pra caramba, meter o pé na jaca?

Felizes e contentes os dois foram embora. Rumo á uma vida de casados! rsrs”

http://www.insoonia.com/category/peripecias-3/

Nas garras do Magnífico – Estadão


Shamere é uma sobrevivente do tráfico humano, um crime que afeta 50 mil pessoas nos Estados Unidos, segundo o Departamento de Estado. Elas estão nas ruas e bordéis das grandes cidades, nos campos de tomate da Flórida ou nas plantações de maçã do Estado de Washington, nas casas de famílias nos subúrbios americanos e nas de diplomatas e altos funcionários de organizações internacionais em Washington, D.C. A Organização Internacional do Trabalho fala em 12,3 milhões de pessoas traficadas no mundo inteiro. O lucro gerado é de US$ 31,7 bilhões por ano. Livre de impostos. Isso faz do tráfico de pessoas a terceira modalidade mais lucrativa do crime organizado internacional, atrás somente do tráfico de drogas e armas.

leia mais aqui: Nas garras do Magnífico – suplementos – aliás – Estadão.