Watch Robert Altman’s long-lost short film, Modern Football


As great moviemakers go, Robert Altman was a late bloomer, making his name with his fifth feature film, M*A*S*H, when he was in his mid-forties. But he didn’t suddenly appear out of nowhere. Before making his first low-budget movie The Delinquents in 1957 and settling in for years of journeyman work in television, Altman churned out several short industrial films starting in 1949. Most of this stuff is lost to history, but now Altman completists can check out one of his earliest works below, the 1951 Modern Football, an educational sports documentary co-sponsored by Wheaties and Wilson Sporting Goods.

Filmmaker and archivist Gary Huggins—a director with his own Kickstarter-funded feature in the works—impulsively bought his discovery along with a bunch of similar instructional films at a flea market in Altman’s hometown of Kansas City. Huggins didn’t know what he had until he finally got around to looking at the movie and recognized the director’s face in a shot. The seeds of Altman’s later greatness may not be readily apparent in Modern Football, but it’s a well-made, fascinating curio—and with its stiff line readings and period haircuts and fashions, ripe material for some Mystery Science Theater 3000 riffing. [via SF Weekly]

Boas-novas europeias expressas em músicas:


– Juventus = campeonissimo!!!

 

– François Hollande = champion en France!!!!

Et pour célébrer le résultat des élections françaises, il n’y a pas de musique meilleure que…les chansons de Carla Bruni, bien sûrrrrr!!!!

http://www.youtube.com/watch?v=Me7wlASiKUg

Il semble que quelqu’un ait convoqué l’espoir
Les rues sont des jardins, je danse sur les trottoirs
Il semble que mes bras soient devenus des ailes
Qu’à chaque instant qui vole je puisse toucher le ciel
Qu’à chaque instant qui passe je puisse manger le ciel
Le clochers sont penchés les arbres déraisonnent
Ils croulent sous les fleurs au plus roux de l’automne
La niege ne fond plus la pluie chante doucement
Et même les réverbères ont un air impatient
Et même les cailloux se donnent l’air important
Car je suis l’amoureuse, oui je suis l’amoureuse
Et je tiens dans me mains la seule de toutes les choses
Je suis l’amoureuse, je suis ton amoureuse
Et je chante pour toi la seule de toutes les choses
Qui vaille d’être là, qui vaille d’être là
Le temps s’est arrêté, les heures sont volages
Les minutes frissonnent et l’ennui fait naufrage
tout paraît inconnu tout croque sous la dent
Et le bruit du chagrin s’éloigne lentement
Et le bruit du passé se tait tout simplement
Oh, les murs chagent de pierres,
Le ciel change de nuages,
La vie change de manières et dansent les mirages
On a vu m’a-t-on dit le destin se montrer
Il avait mine de rien l’air de tout emporter
Il avait ton allure, ta façon de parler

Car je suis l’amoureuse, oui je suis l’amoureuse

Et je tiens dans me mains la seule de toutes les choses
Je suis l’amoureuse, je suis ton amoureuse
Et je chante pour toi la seule de toutes les choses
Qui vaille d’être là, qui vaille d’être là
Dans ma jeunesse, il y a des rues dangereuses
Dans ma jeunesse, il y a des villes moroses
Des fugues au creux d’ la nuit silencieuseDans ma jeunesse, quand tombe le soir
C’est la course a tous les espoirs
Je danse toute seule devant mon miroirMais ma jeunesse me regarde serieuse, elle me dit
“Qu’as-tu fait de nos heures ?
Qu’as-tu fait de nos heures precieuses ?
Maintenant, souffle le vent d’hiver”Dans ma jeunesse, il y a de beaux departs
Mon coeur qui tremble au moindre regard
L’incertitude au bout du couloir

Dans ma jeunesse, il y a des interstices
Des vols planes en etat d’ivresse
Des atterrissages de detresse

Mais ma jeunesse me regarde severe, elle me dit
“Qu’as-tu fait de nos nuits ?
Qu’as tu fait de nos aventures ?
Maintenant, le temps reprend son pli”

Dans ma jeunesse, il y a une priere
Une prouesse a dire ou a faire
Une promesse, un genre de mystere
Dans ma jeunesse, il y a une fleur
Que j’ai cueillie en pleine douceur
Que j’ai saisie en pleine frayeur

Mais ma jeunesse me regarde, cruelle,
Elle me dit “C’est l’heure du depart”
Je retourne a d’autres etoiles
Et je te laisse la fin de l’histoire.

Tu es ma came,
Mon toxique, ma volupté suprême,
Mon rendez-vous chéri et mon abîme
Tu fleuris au plus doux de mon âme
Tu es ma came
Tu es mon genre de délice, de programme
Je t’aspire, je t’expire et je me pâme
Je t’attends comme on attend la manne
Tu es ma came
J’aime tes yeux, tes cheveux, ton arôme
Viens donc là que j’te goûte que j’te hume
Tu es mon bel amour, mon anagramme
Tu es ma came
Plus mortelle que l’héroïne afghane
Plus dangereux que la blanche colombienne
Tu es ma solution, mon doux problème
Tu es ma came
A toi tous mes soupirs, mes poèmes
Pour toi toutes mes prières sous la lune
A toi ma disgrâce et ma fortune
Tu es ma came
Quand tu pars c’est l’enfer et ses flammes
Toute ma vie, toute ma peau te réclament
on dirait que tu coules dans mes veines
Tu es ma came
Je me sens renaître sous ton charme
Je te veux jusqu’à en vendre l’âme
À tes pieds je dépose mes armes
Tu es ma came
Tu es ma came

Cachorrada!!!!!!


hahahahhahahahhahahahahhahahahaahah Ai ai, bichinho fanfarrão, adorei 🙂 Isso é que é estar cagando e andando pro que os outros vão pensar 😉 O melhor é o replay!!!! hahahahahha E ainda por cima censuraram com um xizinho kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Gênio…


…no gelo!

Storm (Sheffield, jan/2012)

Tango Roxanne (Sheffield, jan/2012)

Isso é o que ele faz, todo estropiado, aos 29 anos (“velho demais para o esporte”). Ganhou pela SÉTIMA vez o campeonato europeu, ó, que surpresa! Acho mesmo que ele tem grandes e bem reais chances de pódio nas Olimpíadas de Sochi em 2014. Essa é a diferença entre quem tem tesão pelo que faz, e quem faz porque não teve outra opção :(, ou tendo em vista apenas grana e/ou fama…esse cara passou fome e frio, conquistou um trilhão de títulos, ganhou rios de dinheiro não só com o esporte, mas também com propagandas, desfiles, participações em programas de TV e tudo o mais…poderia ter se aposentado aos 18 anos de idade *rs* ALIÁS, ele chegou a se aposentar aos 20 e poucos…viajou, tomou todos os vinhos e comeu tudo o que quis, engordou 15 quilos mas não aguentou ficar longe do gelo! ahahahhahahaha Teve que se submeter a uma dieta rigorosíssima, e treinamento basicamente militar…rotina de acordar cedo, treinar horas e horas seguidas, sofrer mais algumas fraturas, cirurgias, torções e afins…nenhum patinador na história fez isso – se aposentar e voltar depois de 2/3 anos…Quem é foderoso é foderoso 🙂 68 medalhas até aqui, mas quero vê-lo ganhar mais algumas…ele merece!

Je suis malade (exibição de gala)

A entrevista está em russo, mas caso queiram ver um trecho da cerimônia dos medalhistas…

A estupidez humana…e seus efeitos nefastos (2)


Uma briga generalizada entre torcedores de dois clubes rivais no Egito assustou o mundo do futebol nesta quarta-feira. O confronto campal e nas arquibancas entre fãs do Al-Masri e Al-Ahli resultou em 74 mortes e 188 feridos. A informação é atualizada a todo momento pelo governo egípcio, por meio da tv estatal.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou que esta quarta-feira é um “dia negro” para o futebol. “Estou atordoado e lamento muito saber que, nesta noite, um grande número de torcedores de futebol morreu em uma partida no Egito”, comentou.

O prefeito de Port Said, El-Amiry, disse que as mortes foram causadas pelo tumulto e por sufocamentos. Um médico de um necrotério da cidade disse que alguns dos mortos eram agentes de segurança. O vice-ministro da Saúde, Hesham Sheiha, já decretou: “É o maior desastre da história do futebol do Egito”.

FEDERAÇÃO SUSPENDE CAMPEONATO EGÍPCIO

A Federação Egípcia de Futebol decidiu suspender o campeonato nacional por tempo indeterminado após as mortes ocorridas na partida entre Al-Masri e Al-Ahli, nesta quarta-feira. O presidente da entidade, Samir Zaher, anunciou o cancelamento e pediu “uma investigação urgente dos acontecimentos por um comitê de investigação para mostrar a verdade ao público”.

As declarações sobre o evento impressionam. O jogador egípcio Mohamed Abou-Treika relatou as cenas fortes e criticou as autoridades locais.

“As forças de segurança não nos protegeram. Um fã acaba de morrer no vestiário diante de mim. É culpa nossa, porque jogamos esse jogo. As autoridades estão com medo de cancelar o campeonato porque só se preocupam com dinheiro, não importa a vida das pessoas”, disse.

O confronto começou quando um torcedor levantou uma faixa insultando os rivais no segundo tempo. Após o apito final quando os torcedores do Al Masry, que venceu o jogo por 3 a 1, invadiram o campo para agredir os jogadores e a comissão técnica do Al Ahly. Os vândalos começaram a jogar pedras, fogos de artifício e garrafas sobre os rivais.

Muitos dos presentes apontaram completa falta de segurança e ausência de policiais no local. Outras testemunhas disseram que os policiais permitiram a entrada de torcedores do Marsy no espaço reservado aos fãs do Ahly nas arquibancadas.

O chefe do Conselho Supremo de decisão das Forças Armadas, Hussein Tantawi, enviou dois aviões militares para transferir os feridos junto com o pessoal técnico da equipe Ahly para Cairo. Até a noite desta quarta-feira, 47 pessoas haviam sido detidas em função dos episódios de violência.

A televisão estatal do Egito anunciou que os parlamentares irão se reunir em regime de urgência para tratar da violência em Port Said

Outra confusão aconteceu em em um estádio de futebol em Cairo. Os torcedores atearam fogo dentro do estádio do Cairo durante o duelo entre Zamalek e Ismaili. O jogo foi suspenso a pedido das equipes.

OUTRAS TRAGÉDIAS NO FUTEBOL

Ano Tragédia
1964 Peru e Argentina se enfrentaram em Lima (PER) no Torneio Pré-Olímpico. Os visitantes ganhavam por 1 a 0, e o juiz anulou um gol legítimo do time local, revoltando os 54 mil torcedores, que passaram a atirar pedras e garrafas no campo, além de invadir o gramado. Mais de 120 morreram e outros 90 ficaram feridos na confusão.
1968 No clássico argentino entre River Plate e Boca Juniors, a torcida causou um incêndio ao botar fogo em uma pilha de papel. O fogo afastou os torcedores, que correram e se tumultuaram a saída. 74 morreram e cerca de 150 se feriram.
1989 No jogo entre Nottingham e Liverpool, pela Copa da Inglaterra, o estádio estava lotado e muita gente ficou para fora. As cerca de 5 mil pessoas forçaram a entrada, derrubaram o portão e invadiram o estádio, que ficou superlotado. Na confusão, aproximadamente 100 mortos e 200 feridos.
1996 Guatemala e Costa Rica duelariam pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo. A capacidade do estádio era de 45 mil pessoas, mas foram vendidos 60 mil ingressos. Na confusão, muita gente ficou prensada contra o alambrado, morreram 84 pessoas e 150 ficaram feridos. O jogo acabou suspenso.
2001 Em Gana, torcedores do Hearts of Oak e Kumasi Kotoko, dois times de maior rivalidade do país, se enfrentaram na arquibancada. Mais de 120 pessoas morreram e outras 90 ficaram feridas após os conflitos.
2007 Ao menos 50 pessoas morreram em um atentado contra torcedores do Iraque, que festejavam uma vitória da seleção local na Copa da Ásia.

* Com agências internacionais

* Atualizada às 21h11

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Editado:

Mais duas pessoas morreram nesta sexta-feira durante um protesto, no Cairo, pela morte de 74 pessoas, na quarta-feira (1), após uma partida de futebol em Port Said. Com isso, o número de mortos em confrontos envolvendo a polícia e manifestantes, hoje, chega a quatro, já que duas pessoas morreram nos confrontos em Suez.

A primeira morte foi confirmada por um médico voluntário que acompanhou os confrontos no Cairo. Segundo a testemunha, que falou à Associated Press na condição de anonimato, o homem morreu após ser atingido por tiros, nas proximidades do ministério do Interior, no centro do Cairo. A vítima chegou a ser levada ao hospital mas não resistiu. Não há informações sobre a outra vítima, apenas que ela também foi ferida a  bala.

Milhares protestaram no Cairo durante o dia, acusando o conselho militar, que tomou o poder depois da queda do ex-presidente Hosni Mubarak um ano atrás, de administrar mal o país em meio a uma frágil transição.

Aproximadamente 1.689 pessoas ficaram feridas nos confrontos que ocorreram na capital, principalmente após inalar gás lacrimogêneo, e em Suez.

Os manifestantes protestavam por conta da violência desatada na quarta-feira entre torcedores do time de Port Said, o Al-Masry, e do Cairo, o Al-Ahly, um dos incidentes mais sangrentos da história do futebol.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

‘Guerra’ entre torcedores de São Paulo e Guarani em Campinas termina com 61 detidos

O jogo aconteceu no Morumbi, na capital paulista, mas torcedores de Guarani e São Paulo proporcionaram na noite desta quinta-feira, em Campinas, cenas de vandalismo que tomaram conta da Avenida Prestes Maia, localizada na cidade do interior paulista.

De acordo com a Polícia Militar, as torcidas das duas equipes entraram em conflito enquanto Guarani e São Paulo jogavam pela quarta rodada do Paulistão. O encontro havia sido previamente marcado pela internet e terminou com 61 pessoas detidas e uma arma de fogo apreendida.

Um torcedor são-paulino deu entrada no pronto-socorro São José com a suspeita de ter sido baleado no braço, mas após avaliação de um médico perito do Instituto Médico Legal (IML) foi constatado que o ferimento foi causado por uma pedra ou uma paulada.

Na briga, segundo a PM, foram usados rojões, pedaços de pau, e quatro disparos foram efetuados por um torcedor bugrino.

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Editado de novo:

Para brasileiro que mora no Egito, confronto entre torcidas foi político

“Este é um conflito inteiramente político.” A afirmação é de Aldo Sauda, brasileiro que mora no Cairo, sobre a briga entre as torcidas do Al Ahly – a maior do Egito – e Al Massry, ocorrida na última quarta-feira (1º), que deixou 74 mortos e centenas de feridos no estádio de Port Said, norte do país.

Sauda estudou Relações Internacionais em São Paulo e, no ano passado, decidiu ir ao Egito para acompanhar de perto as transformações no país. Segundo ele, os torcedores do Al Ahly foram massacrados em plena arena, por estarem na linha de frente da oposição à junta militar que entrou no poder no Egito após a queda do ex-ditador Hosni Mubarak, ocorrida em fevereiro de 2011.

“Quando os torcedores do Al Ahly souberam do massacre, a reação espontânea das pessoas, que se reuniram na porta do clube, foi chamar pela execução do general Tantawi [chefe do Conselho Supremo das Forças Armadas do Egito]. Ninguém nem mencionava a torcida do Massry”, justificou.

Sobre as acusações de que a polícia está por trás do massacre, o brasileiro conta que o prédio do Ministério do Interior – que controla a polícia –foi cercado por manifestantes. “Inclusive, o muro erguido em novembro pela polícia na Mohamad Mahmoud, rua que fica entre a [praça] Tahrir e o Ministério, foi derrubado.”

“A situação no Cairo está muito tensa, principalmente nas redondezas da praça Tahrir”, continua Sauda. As forças de segurança estão reprimindo os protestos de forma violenta, e a conjuntura é incerta. “Ninguém sabe o que vai acontecer, mas acho que a oposição não tem organização suficiente para derrubar a junta”, analisou.

As manifestações que se seguiram ao massacre no Egito já deixaram quatro mortos e mais de 1.500 feridos.

Niagara Falls & Chutes de Montmorency


Lindas essas fotos, né? Vieram daqui.  Só visitei esse lugar uma vez, e durante o verão (não, Niagara não é nem de perto tão monumental quanto as cataratas do Iguaçu, é diferente, cada pessoa prefere uma…a cor da água, porém, é lindíssima):

…essas fotos, apesar de lindas (claro! :P), são bem clichê. É raro ver foto, e ainda mais de boa qualidade, de quedas d’água no inverno, muito interessante…vi, ainda, uma foto impressionante das Chutes de Montmorency (Québec) no inverno também, muito legal – não a encontrei aqui na internet, mas aqui vão outras igualmente belas (clique nas fotos para vê-las em tamanho maior):

O pessoal inclusive faz uma caminhadinha básica e pratica esportes de inverno (como ski) por ali:

Ah, sim, o verão a aparência é outra, obviamente…;)

Até de noite é legal:

Essa foto me lembrou algo…no verão, existe uma competição internacional de fogos de artifício chamada Grand Feux Loto-Québec. É uma experiência que recomendo muito, pois não se trata de fogos de artifício normais, são dos mais elaborados/diferentes possíveis e sincronizados com música…sem contar que, ÓBVIO, eles iluminam a cachoeira e ainda por cima se refletem lá embaixo nas águas! Não me lembro quanto tempo exatamente durava o espetáculo, mas acho que era em torno de meia hora/40 min…ficava uma fumaceira só, claro!!! hahhaahah Mas vale muito a pena, você ali sentadinho assistindo (sim, o espetáculo é pago, lógico). Tinha gente que pegava seus próprios caiaques e ficava vendo ali de dentro da água mesmo (pena que essas duas fotos são pequenas):

AH-HÁAAA!!! Achei wallpapers no site oficial do evento, e mais algumas fotos grandes bem legais, sobretudo de um fotógrafo amador, Patrick Blouin (mas aí embaixo tem fotos de outras fontes também) – é só clicar para ver as fotos em tamanho grande: