As rebeliões do efêmero – A ideologia dominante é a do novo-rico, que conhece o preço de todas as coisas, mas desconhece o seu valor


As rebeliões do efêmero – suplementos – geral – Estadão.

Anúncios

Pau-brasil


Acho que somos o único país do mundo a receber nome de planta. Legal isso 😀 Seria mais legal ainda se o pau-brasil não estivesse ameaçado…outro dia vi uma reportagem sobre isso. Dizia que o pau-brasil, além do corante, possui propriedades adstringentes, anti-inflamatórias e anti-cancerígenas (tanto sarcomas como carcinomas responderam bem a testes feitos em ratos de laboratório). Sem contar que é uma árvore linda, claro 😉


Uma das pesquisadoras dizia, ao final da reportagem: “Seria bom se as pessoas plantassem o pau-brasil…assim, deixaria de figurar na lista da quase extinção”. Tá. Aí eu, que adoro plantas, pergunto: onde achar?? Até hoje acho que vi apenas 2 árvores de pau-brasil, e em áreas de conservação. Onde acha semente ou muda de pau-brasil para plantar??? Se alguém souber, favor entrar em contato comigo…escreva aí embaixo.

Editado: ops, esqueçam! Acabei de pesquisar, tem aqui: http://www.projetopaubrasil.com.br/

Para comprar: 
Vendas por Sedex: 
mínimo 15 mudas – R$ 15,00 por unidade + custo do Sedex.
Pedidos em grande quantidade: 
entar em contato através do telefone ou e-mail abaixo (em virtude de redução de preço conforme a quantidade e ser preciso calcular o frete).
Sementes: Não fornecemos devido à curta vida das mesmas.

Entre em contato pelo atendimento@projetopaubrasil.com.br , pelo (21) 3521-6700 ou skype: projetopaubrasil.

Tem também nesse outro site: http://www.proecologia.com.br – F: (32) 32571142 • End: BR 040 km 792 São Pedro Juiz de Fora MG CEP 36039-080 – mas não diz quanto custa…talvez fique mais barato, pois o frete de Minas deveria, teoricamente, custar menos que o da Bahia.

Simplified map of London


This map came from here. And so did the following comments:

  1. “I live in London and this map is fairly accurate. The Very Rich area would be Pimlico, maybe Notting Hill, Kensington and Chelsea, Westminster, the West End, Primrose Hill, maybe Hampstead. London has other wealthy areas but what differentiates these from those is that these areas have always been wealthy, rather than Johhny come lately areas that have been gentrified.”
  2. “General rules of thumb: in a city the wealthier neighborhoods tend to be upwind, upriver, and uphill. Occasionally extreme geographic constraints will override those rules. In the case of London, the Thames was horribly polluted and smelly in the first half of the 18th century (look up “The Great Stink”). My guess is that the “Very Rich” area would be the westernmost part of London in 1850, and that the “Losers” area west of there developed after the Thames was cleaned up. (I should line up some historical maps of London to the above map to see.)”
  3. “It just goes to show you. It takes a lot of losers to support a few rich folks.”
  4. “Have you seen the houses in Richmond or Hampstead? They don’t look like looser houses to me… There was actually an article in Time Out which mapped the London Boundary in relation to were the first Harvester eatery is located. So, were Harvester starts London stops. That is a clever way to show social divide within a city.”

Sistema Numérico dos Babilônicos


A civilização babilônia substituiu a civilização suméria por volta do ano 2000 a.C.

Os babilônicos eram um povo semita que invadiu a Mesopotâmia, derrotando os sumérios, estabelecendo sua capital na Babilônia.

As civilizações antigas da Mesopotâmia são comumente chamadas de babilônicas, apesar da cidade de Babilônia não ter sido o centro de cultura do vale Mesopotâmico.


Aos babilônios se deve a invenção do sistema posicional. Com apenas dois símbolos (um para a unidade e um para a dezena dezenas)podiam representar qualquer número, por maior que fosse, por repetição e mudança de posição. Este é o mesmo princípio de nosso sistema numeral.

Assim a numeração dos babilônios era escrita da seguinte forma:

A civilização babilônica substituir a suméria e a Acádia, e como se pode notar,  os babilônios herdaram idéias dos sumérios e dos acádios para formas o seu próprio sistema numérico.

Até então, nem o sistema numérico dos Sumérios e nem o dos acádios era posicional. Já o sistema criado pelos babilônios era um sistema posicional, o que se tornou uma grande realização. O estabelecimento da ordem posicional para os símbolos numéricos foi a maior realização matemática dos babilônios.

Embora o sistema babilônico fosse um sistema posicional de base 60, teve alguns vestígios do sistema de base 10 dentro dele. Isto porque os 59 números que compõem esse sistema são formados por um símbolo para a unidade e um para a dezena.

US States Renamed For Countries With Similar GDPs


Gross Domestic Product (GDP) is a convenient way of measuring and comparing the size of national economies. Annual GDP represents the market value of all goods and services produced within a country in a year. Put differently:

GDP = consumption + investment + government spending + (exports – imports)

Although the economies of countries like China and India are growing at an incredible rate, the US remains the nation with the highest GDP in the world – and by far: US GDP is projected to be $13,22 trillion (or $13.220 billion) in 2007, according to this source. That’s almost as much as the economies of the next four (Japan, Germany, China, UK) combined.

The creator of this map has had the interesting idea to break down that gigantic US GDP into the GDPs of individual states, and compare those to other countries’ GDP. What follows, is this slightly misleading map – misleading, because the economies both of the US states and of the countries they are compared with are not weighted for their respective populations.

Pakistan, for example, has a GDP that’s slightly higher than Israel’s – but Pakistan has a population of about 170 million, while Israel is only 7 million people strong. The US states those economies are compared with (Arkansas and Oregon, respectively) are much closer to each other in population: 2,7 million and 3,4 million.

And yet, wile a per capita GDP might give a good indication of the average wealth of citizens, a ranking of the economies on this map does serve two interesting purposes: it shows the size of US states’ economies relative to each other (California is the biggest, Wyoming the smallest), and it links those sizes with foreign economies (which are therefore also ranked: Mexico’s and Russia’s economies are about equal size, Ireland’s is twice as big as New Zealand’s). Here’s a run-down of the 50 states, plus DC:

  1. California, it is often said, would be the world’s sixth- or seventh-largest economy if it was a separate country. Actually, that would be the eighth, according to this map, as France (with a GDP of $2,15 trillion) is #8 on the aforementioned list.
  2. Texas’ economy is significantly smaller, exactly half of California’s, as its GDP compares to that of Canada (#10, $1,08 trillion).
  3. Florida also does well, with its GDP comparable to Asian tiger South Korea’s (#13 at $786 billion).
  4. Illinois – Mexico (GDP #14 at $741 billion)
  5. New Jersey – Russia (GDP #15 at $733 billion)
  6. Ohio – Australia (GDP #16 at $645 billion)
  7. New York – Brazil (GDP #17 at $621 billion)
  8. Pennsylvania – Netherlands (GDP #18 at $613 billion)
  9. Georgia – Switzerland (GDP #19 at $387 billion)
  10. North Carolina – Sweden (GDP #20 at $371 billion)
  11. Massachusetts – Belgium (GDP #21 at $368 billion)
  12. Washington – Turkey (GDP #22 at $358 billion)
  13. Virginia – Austria (GDP #24 at $309 billion)
  14. Tennessee – Saudi Arabia (GDP #25 at $286 billion)
  15. Missouri – Poland (GDP #26 at $265 billion)
  16. Louisiana – Indonesia (GDP #27 at $264 billion)
  17. Minnesota – Norway (GDP #28 at $262 billion)
  18. Indiana – Denmark (GDP #29 at $256 billion)
  19. Connecticut – Greece (GDP #30 at $222 billion)
  20. Michigan – Argentina (GDP #31 at $210 billion)
  21. Nevada – Ireland (GDP #32 at $203 billion)
  22. Wisconsin – South Africa (GDP #33 at $200 billion)
  23. Arizona – Thailand (GDP #34 at $197 billion)
  24. Colorado – Finland (GDP #35 at $196 billion)
  25. Alabama – Iran (GDP #36 at $195 billion)
  26. Maryland – Hong Kong (#37 at $187 billion GDP)
  27. Kentucky – Portugal (GDP #38 at $177 billion)
  28. Iowa – Venezuela (GDP #39 at $148 billion)
  29. Kansas – Malaysia (GDP #40 at $132 billion)
  30. Arkansas – Pakistan (GDP #41 at $124 billion)
  31. Oregon – Israel (GDP #42 at $122 billion)
  32. South Carolina – Singapore (GDP #43 at $121 billion)
  33. Nebraska – Czech Republic (GDP #44 at $119 billion)
  34. New Mexico – Hungary (GDP #45 at $113 billion)
  35. Mississippi – Chile (GDP #48 at $100 billion)
  36. DC – New Zealand (#49 at $99 billion GDP)
  37. Oklahoma – Philippines (GDP #50 at $98 billion)
  38. West Virginia – Algeria (GDP #51 at $92 billion)
  39. Hawaii – Nigeria (GDP #53 at $83 billion)
  40. Idaho – Ukraine (GDP #54 at $81 billion)
  41. Delaware – Romania (#55 at $79 billion GDP)
  42. Utah – Peru (GDP #56 at $76 billion)
  43. New Hampshire – Bangladesh (GDP #57 at $69 billion)
  44. Maine – Morocco (GDP #59 at $57 billion)
  45. Rhode Island – Vietnam (GDP #61 at $48 billion)
  46. South Dakota – Croatia (GDP #66 at $37 billion)
  47. Montana – Tunisia (GDP #69 at $33 billion)
  48. North Dakota – Ecuador (GDP #70 at $32 billion)
  49. Alaska – Belarus (GDP #73 at $29 billion)
  50. Vermont – Dominican Republic (GDP #81 at $20 billion)
  51. Wyoming – Uzbekistan (GDP #101 at $11 billion)

This map was suggested by Morgan via strangemaps@gmail.com, and can be found here. Please note that the GDP data used for this comparison are not necessarily the same as those used in compiling the original map.

(this very cool post has come from this very cool blog)

O açúcar – Ferreira Gullar


O branco açúcar que adoçará meu café
nesta manhã de Ipanema
não foi produzido por mim
nem surgiu dentro do açucareiro por milagre.
Vejo-o puro
e afável ao paladar
como beijo de moça, água
na pele, flor
que se dissolve na boca. Mas este açúcar
não foi feito por mim.

Este açúcar veio
da mercearia da esquina e tampouco o fez o Oliveira, dono da mercearia.
Este açúcar veio
de uma usina de açúcar em Pernambuco
ou no Estado do Rio
e tampouco o fez o dono da usina.

Este açúcar era cana
e veio dos canaviais extensos
que não nascem por acaso
no regaço do vale.

Em lugares distantes, onde não há hospital
nem escola,
homens que não sabem ler e morrem de fome
aos 27 anos
plantaram e colheram a cana
que viraria açúcar.

Em usinas escuras,
homens de vida amarga
e dura
produziram este açúcar
branco e puro
com que adoço meu café esta manhã em Ipanema.

Prevenção do Aquecimento Global


Trago aqui a tradução de um comentário de Ian Campbell Cree submetido em 16 de junho de 2009 no blog do http://wilderness.org a respeito do aquecimento global.

“A seguir, veja o que seria necessário para a prevenção do aquecimento:

A MAIORES medidas a respeito da prevenção do aquecimento global AINDA NÃO estão sendo feitas:

1. Pesquisa em estações Tidal Power: Litoral leste e oeste da América mostram forças quase ilimitadas das marés a mais de 6000 milhas.

A única estação, como no hemisfério ocidental está na Nova Escócia e que a província já produz 12% de sua energia elétrica proveniente de fontes renováveis.

Quase nada está sendo feito neste sentido nos E.U.A.

2. Portugal foi pioneiro no caminho para a liberdade plena de combustíveis fósseis, utilizando uma combinação de barragens para a energia hidroeléctrica, fazendas solares, parques eólicos e aproveitamento Wave Power (transporte de energia pela superfície das ondas do mar que gera energia) com “Sea Snakes” (Pelamis, o conversor de energia). Esses engenhosos catadores de energia de ondas, inventado na Escócia, medem 150 metros de comprimento e 3,5 metros de diâmetro.

Cada um deles produzem energia suficiente para abastecer cerca de 1500 LARES, gerando energia elétrica pelo movimento de seus 4 segmentos em dobradiças.

Um cabo ao longo do leito do mar carrega a energia de uma sub-estação na margem.

Portugal tinha uma meta em produzir 30% da sua electricidade a partir de fontes renováveis até 2010. Dois anos antes do previsto é de 42%!

[relatado na CBCnews em outubro de 2008, e também na ONU em 24 de outubro.]

A América precisa seguir isso, e rapidamente!

Precisamos mudar o mantra de “Drill baby Drill” (frase de blasfêmia criada como incentivo na política pelos americanos, que nem quero traduzir aqui…) para “Snake Baby Snake”

Onde estão os nossos “Sea Snakes”? O QUE ESTAMOS ESPERANDO?

3. Pesquisa em carros elétricos de baixo custo e de alta velocidade com baterias recarregáveis. Tesla já um excelente veículo, mas de elevado custo. Precisamos de carros elétricos baratos, poderiam ser feitos facilmente, e eliminariam TOTALMENTE a emissão de gases dos carros.

Qualquer fiança ou melhor, empréstimo, deveria ser apenas para a fabricação de carros elétricos – Agora é a hora! Já existem diversos veículos eléctricos no mercado. Uma vantagem de um carro elétrico é que ninguém  morre queimado se ficar preso no carro.

4. Prepare-se para lugares de recarga nos postos de atendimento e nos estacionamentos dos shoppings. Considere uma pickup elétrica através de um encaixe nas principais ruas das cidades (como os velhos bondes).

Agora uma nova pesquisa desenvolveu novas baterias com recarga rápida em 20 segundos. Estas pilhas de lítio de fosfato de ferro foram modificados para permitir que os elétrons viajem através de túneis no lítio em segundos. Estas baterias devem estar no mercado dentro de 3 anos.

5. Proibam imediatamente todas as novas estações de energia de carvão, e respectivamente todos os antigos. Proibam imediatamente todos as explosões nos topos das montanhas de mineração de carvão e toda a poluição industrial nos rios.

6. Proibam imediatamente quaisquer novas estações nucleares, e armas nucleares.

Iniciar a pesquisa de melhores formas de eliminação de resíduos nucleares. Os custos necessários para a construção de estações nucleares é impressionante e muito superior ao custo do desenvolvimento de energia dos ventos, das ondas, das marés, e energia solar.

Nós certamente não precisamos mais de Chernobil e Three Mile Islands, e resíduos nucleares não irão embora só porque queremos isso. É sábio que o transporte de resíduos nucleares são perigosos e estão sujeitos a acidentes! O horror da irradiação contínua dos habitantes das ilhas Marshall e de inúmeras mortes e doenças devastadoras vindos de testes nucleares de bomba a milhas de distância, e longe de um reconhecimento tranqüilizador que a terra continuará radioativa por 1500 anos não provê nenhuma razão por complacência em relação a acidentes de transporte, em depósitos de lixos em áreas vulcânicas, ou em usinas de energia, por eles mesmos!

Recentes revelações expuseram o fato de que o reator nuclear de Virgínia tinha sustentado vários acidentes, incluindo um em que um tanque de armazenamento derramou resíduos nucleares num terreno próximo de um rio e espalhou níveis perigosos de radiação no solo e no ar.

A maior área de limpeza ambiental no mundo em Hanford, Washington (uma forma fácil de produção de armas nucleares e a maior área nuclear contaminada nos E.U.A.) produziu mais de 53 milhões de litros de resíduos nucleares em tanques subterrâneos, quase 40% do que vazaram para o solo e água.

Estudos recentes sobre as populações de animais em torno do local da explosão do reator de Chernobyl revelou acentuada diminuição da população animal e numerosas anormalidades e deformidades.

Há ainda mais recentes revelações de que a radioatividade do desastre de Chernobyl ainda está poluindo os campos da Inglaterra a milhares de quilômetros, e os agricultores estão tendo restrições impostas em suas ovelhas devido a resistência de radioactividade da terra.

7. Iniciar a construção de parques eólicos e grandes fazendas solares (Os últimos são melhor situados nos estados desertos do sul).

Dinamarca demonstrou a viabilidade da construção de parques eólicos sobre o mar com turbinas suportadas por torres cravadas no fundo do mar. Mesmo agora, muito pouco está sendo feito a respeito, nos E.U.A..

8. Cuidadosa construção de barragens para hidrelétricas utilizam a tecnologia para evitar um impacto negativo sobre a fauna e abastecimento de água potável.

9. Acelerar o tempo requer aumento de métodos das milhas percorridas por veículos a gás. O encontro dos “Big Three” (os três maiores fabricantes de automóveis) mostraram um passo na direção certa, mas ficou aquém do alvo previamente determinado de 35 milhas por litro.

10. Plantando novas árvores e reduzindo o desmatamento da indústria madeireira. Revela que a maioria das florestas do sul estão em mãos privadas e sugere a necessidade de algumas negociações para proteger estas florestas.

11. Ajude as nações estrangeiras na necessidade de alcançar os objetivos acima.

‘Cap and trade’(programa criado para controlar a poluição) “não tem feito nada para reduzir os gases com efeito estufa, e é meramente um caminho mais fácil para as indústrias do carvão e de combustíveis fósseis.

Precisamos agir agora! O aquecimento global já está acontecendo! A ameaça de abastecimento de água inadequado já está acontecendo!

Determinações recentes têm projetado aumento substancial do nível do mar na área de Boston e Nova Escócia, do derretimento das geleiras na Groenlândia. Há todos as demais tolerâncias que ainda acreditam que as grandes catástrofes devido ao aquecimento global, não irão acontecer até 2050! ELAS JÁ ESTÃO ACONTECENDO BEM DEBAIXO DO NOSSO NARIZ!

Não deixe como numa tentativa única de conseguir um lugar. Big Oil (o petróleo) está nos segurando e arrastando-nos para baixo! Nós perdemos o nosso poder de inovação!

Podemos fazer isso? Yes we can! Si se puede!

Todas as alternativas acima dará emprego abundante e será mais do que suficiente para reativar a economia.

Por 8 anos temos administrado uma economia de cabeça pra baixo, que acumulou uma dívida tremenda nacional e internacional.

Tentativas recentes de relançar a economia por fianças descontroladas resultaram em fracasso inevitável e as consequências altamente previsíveis: A obra de doações dos contribuintes. Isto tem sido uma volta ao esforço anterior.

Para restaurar a economia, o PRIMEIRO OBJETIVO DEVE SER A CRIAÇÃO DE EMPREGOS: Trabalho produz produtos e ganha dinheiro. Para produzir produtos, materiais devem ser comprados e transportados, criando assim mais empregos. Transporte requer alimentação de combustível, óleo, manutenção e reparação de caminhões, vagões, trens, trilhos e estradas. Salários de todos esses trabalhadores pagam por comida das lojas e dos agricultores – mais trabalhadores e mais salários para gastar em aluguéis e hipotecas de baixo interesse em propriedades com preços baixos. Compra de imóveis exige agentes e advogados. Assim, o ciclo é reiniciado. Um estímulo ao impulso inicial pode ser necessário para iniciar a criação destes empregos e pode exigir uma adição inicial para a dívida nacional.

Foi um erro enorme permitir a Administração Bush de ter o controle total e secreto da fiança bancária, que deveriam ter sido sob o controle absoluto de um Conselho nomeado, e supervisionado pelo Congresso, resultado no dinheiro que está sendo jogado no buraco negro.

Ao contrário, usando uma fiança ou empréstimo para criar trabalho produziria fluxo de caixa. Uma vez que o fluxo de caixa é iniciado ele acelera e ativos acumulados liberados pagam por funcionários, e produtos. A liberação de recursos acumulados estimula o investimento e aumentos no valor das ações no mercado que

abastece. Novas empresas são abertas. Carros elétricos são produzidos e vendidos. Uma vez que a economia é restaurada, a dívida pode ser gradualmente liquidada.

A obra prevista pelos bancos, previsivelmente continua, enquanto o Congresso fica falhando como se não houvesse nada que pudesse fazer! Tudo o que precisa é um ideal!

Fornecer finanças em quantias mensais. Antes do pagamento do mês seguinte requer um certificado que o pagamento do mês anterior foi dado para X de Y:

Onde X é igual a uma lista de hipotecas de casa em seus preços reduzidos, e em uma taxa de juro reduzida de 1,9% para 2,9%. O proprietário da casa então reembolsa a conta.

Y é igual aos donos da casas e seus endereços.

A hipoteca é gradualmente paga em quantias pequenas durante um longo período.

Algumas propriedades podem ser alugadas por preços bem baixos, com a opção de comprar, dando preferência aos antigos proprietários. É muito melhor para ambos interessados do que permitir que propriedades barradas permanecam vazias e se deteriorem ou sejam vandalizadas.

POR QUE ISTO NÃO ESTÁ SENDO FEITO NO MUNDO?????

As mesmas medidas podem ser aplicadas para restauração de negócios corporativos, tais como a indústria automobilística. É simplesmente um método de forçar os bancos a abrirem seus cofres e colocar dinheiro inútil em circulação.

Os bancos devem ser obrigados a liberar seus bens armazenados por qualquer número de vezes, como colocar um limite máximo de investimentos acumulados. (Operação “Tight Fist”)

Os bancos que não respeitam os direitos dos trabalhadores ou tentam obstruir os sindicatos não seria dado finanças.

Aqueles que ocultarem a distribuição do primeiro TARP devem ser intimados e testemunharem sob juramento exatamente o que foi feito com este dinheiro. A América tem o direito de saber. 8 anos de sigilo é mais que suficiente.

O que você pensa?

Atenciosamente,

Ian Campbell Cree, MB (Hons.), MS, FRCS (Port. & C.), FACS, LRCP”

Tradução: Eliana Lara Delfino

Fonte: http://elianalara.wordpress.com/2010/02/21/prevencao-do-aquecimento-global/

Fonte da fonte 😛 http://wilderness.org/content/beyond-polar-bears-glimpse-many-species-threatened-global-warming

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

Contra aquecimento, Nasa propõe meios para ‘esfriar’ a Terra

RAFAEL GARCIA
DE WASHINGTON

Uma ação abrangente para combater a emissão do gás metano e a poluição por fuligem reduziria o aquecimento global de 2,2ºC para 1,7ºC em 2050, indica um novo estudo liderado pela Nasa (agência espacial americana).

Quase todas as medidas necessárias para isso, dizem os cientistas, teriam seus custos compensados ao evitar gastos em saúde pública e na agricultura.

Segundo o trabalho, publicado na revista “Science”, se o planeta adotar 14 medidas contra essas substâncias (leia mais abaixo), combateria a mudança climática, evitaria mortes por doenças respiratórias e aumentaria a produtividade agrícola.

O documento inclui propostas que vão desde a substituição de fornos a carvão –grande fonte de poluição em países pobres– até o controle do vazamento de metano em poços de petróleo.

Combater a emissão desse gás, que também é subproduto da agropecuária, ajudaria os próprios produtores rurais, porque o metano estimula o surgimento de ozônio em baixas altitudes, prejudicando a respiração das plantas.

A produção mundial de alimentos teria um incremento de 30 milhões a 130 milhões de toneladas se o ozônio derivado da poluição fosse reduzido indiretamente por meio do combate ao metano.

“As colheitas seriam o fator do qual países como o Brasil mais se beneficiariam”, disse àFolha Drew Shindell, do Instituto Goddard, da Nasa, que liderou o trabalho.

“Em países como China e Índia, o principal benefício seria na saúde pública, porque o problema de poluição por fuligem é muito maior lá.”

DIPLOMACIA

Segundo Shindell, como a maior parte dos países que tendem a se beneficiar são também grandes emissores de fuligem e metano, uma política eficaz não iria requerer um acordo internacional como aquele que o planeta está buscando contra o CO2 (dióxido de carbono), principal vilão do aquecimento global.

“No caso do combate a essas outras substâncias, temos mais chance de progresso se ele for implementado por ações locais”, diz o cientista.

“Iniciativas globais, porém, podem estimular ações locais, como o financiamento de bancos de desenvolvimento para alguns projetos.”

Mesmo não tendo potencial de aquecimento no longo prazo, a fuligem contribui para a mudança climática, sobretudo quando se acumula sobre a neve e o gelo em regiões frias. De cor escura, ela atrapalha a capacidade da água congelada de refletir radiação para fora da Terra.

Já o metano é o gás-estufa mais forte, apesar de não ser o mais abundante.

O combate a esses dois poluentes, porém, não serviria como compensação para o atraso do planeta em reduzir as emissões de carbono.

“Se adiarmos mais o acordo do clima, mesmo acabando com todo o metano e a fuligem, veríamos um enorme aumento no aquecimento, causado só pelo CO2, na segunda metade do século.”

CONTRA O METANO

1. Estender técnicas que evitam o vazamento de gás em minas de carvão
2. Eliminar as perdas e queimar o gás que hoje escapa de poços de petróleo
3. Reduzir vazamentos em gasodutos
4. Separar o lixo biodegradável para reciclagem, compostagem e uso da biomassa
5. Aprimorar o tratamento de esgoto para capturar o metano que escapa das estações
6. Controlar emissões da pecuária usando um tratamento especial para o esterco
7. Arejar as plantações de arroz para reduzir as emissões em plataformas alagadas

CONTRA A FULIGEM

1. Substituir a frota de veículos muito antigos que emitem poluição demais
2. Instalar filtros especiais nos veículos a diesel
3. Banir a queima de resíduos de agricultura ao ar livre
4. Substituir fornos a lenha por fornos a gás ou combustíveis de queima limpa
5. Levar aos países pobres a tecnologia de fornos por queima de biogás
6. Substituir tijolos de barro por vigas verticais ou por tijolos de fornos mais eficientes
7. Substituir fornos a queima de coque (subproduto do carvão) por fornos mais eficientes

http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/1033909-contra-aquecimento-nasa-propoe-meios-para-esfriar-a-terra.shtml