Livros esculturais (ou: deus me livre, a missão!)


(poxa, dá pena de estragar livros assim, a não ser caso eles já estejam arruinados além de qualquer reparação…ou se forem “obras primas” estilo Paulo Coelho, aí sim, eu faria esse tipo de coisa com prazer! *rsrsrsrsrs* Essas fotos curiosas vieram daqui – exceto as do Brian Dettmer, que vieram daqui, óbvio! E a do polvo e da Alice não me lembro de onde peguei, sorry…). Já sabem: basta clicar nas fotos para vê-las no tamanho original (normalmente são bem maiores, mas algumas infelizmente não…). Ah, e se gostam de livros, lembrem-se de visitar o outro post a este respeito, com wallpapers e árvores de Natal feitas de livros *rs*

Guy Laramee já trabalhou como escritor, diretor, compositor, fabricantes de instrumentos musicais, cantor e escultor. Entre seus trabalhos esculturais há duas séries de livros escavados com paisagens: Biblios e The Great Wall, nas quais densas páginas de livros velhos são transformadas para revelar montanhas serenas, platôs e outros cenários idílicos.

The Great Wall

Having recently overthrown the American Empire in the 23rd century, the Chinese Empire set out to chronicle the history of the Great Panics during the 21st and 22nd centuries.

This Herculean undertaking resulted in a historiographical masterwork entitled, The Great Wall. Comprising 100 volumes, this encyclopaedia derives its name from The Great Wall of America, a monumental project to build an impregnable wall around the United States of America so as to protect this land from barbarian invasions. 150 years in the making, this wall ultimately isolated Americans from the rest of the world while sapping the country’s remaining cultural and natural resources. It also undermined the American people’s confidence in systematized hedonism, thus hastening the fall of the American Empire. As we now know this paved the way for China to invade American territory.

The Chinese Empire later ordered a group of scribes to write The Great Wall series. In the course of their duties they familiarized themselves with the libraries of the former USA. Through a strange twist of fate they thereby discovered the ancient sources of their own civilization which the new Middle Kingdom had long ago removed from its libraries. In the end this contact, primarily with Taoism and Chan (Zen) Buddhism, sowed the seeds of the Chinese Empire.

There’s nothing to fear but…(fear itself?)

detalhe da there’s nothing to fear, feita com livros de bolso:

E já que o assunto é livro, não pude deixar de incluir aí embaixo uma estante bem legal 😀

Niagara Falls & Chutes de Montmorency


Lindas essas fotos, né? Vieram daqui.  Só visitei esse lugar uma vez, e durante o verão (não, Niagara não é nem de perto tão monumental quanto as cataratas do Iguaçu, é diferente, cada pessoa prefere uma…a cor da água, porém, é lindíssima):

…essas fotos, apesar de lindas (claro! :P), são bem clichê. É raro ver foto, e ainda mais de boa qualidade, de quedas d’água no inverno, muito interessante…vi, ainda, uma foto impressionante das Chutes de Montmorency (Québec) no inverno também, muito legal – não a encontrei aqui na internet, mas aqui vão outras igualmente belas (clique nas fotos para vê-las em tamanho maior):

O pessoal inclusive faz uma caminhadinha básica e pratica esportes de inverno (como ski) por ali:

Ah, sim, o verão a aparência é outra, obviamente…;)

Até de noite é legal:

Essa foto me lembrou algo…no verão, existe uma competição internacional de fogos de artifício chamada Grand Feux Loto-Québec. É uma experiência que recomendo muito, pois não se trata de fogos de artifício normais, são dos mais elaborados/diferentes possíveis e sincronizados com música…sem contar que, ÓBVIO, eles iluminam a cachoeira e ainda por cima se refletem lá embaixo nas águas! Não me lembro quanto tempo exatamente durava o espetáculo, mas acho que era em torno de meia hora/40 min…ficava uma fumaceira só, claro!!! hahhaahah Mas vale muito a pena, você ali sentadinho assistindo (sim, o espetáculo é pago, lógico). Tinha gente que pegava seus próprios caiaques e ficava vendo ali de dentro da água mesmo (pena que essas duas fotos são pequenas):

AH-HÁAAA!!! Achei wallpapers no site oficial do evento, e mais algumas fotos grandes bem legais, sobretudo de um fotógrafo amador, Patrick Blouin (mas aí embaixo tem fotos de outras fontes também) – é só clicar para ver as fotos em tamanho grande: